Naó Xohã é o nome da aldeia fincada entre Brumadinho e São Joaquim de Bicas, na Grande BH, e significa “espírito guerreiro” na língua dos índios que estão no local. Vivendo há um ano e meio em terras mineiras, após sair do Sul da Bahia, os pataxós tentam encontrar forças para enfrentar um enorme desafio: sobreviver sem o bem mais precioso que tinham, o rio Paraopeba.

O curso d'água contaminado pelos rejeitos de minério, após o rompimento da barragem Córrego do Feijão, alimentava as famílias e servia como ponto de encontro para a realização de rituais. Sem o recurso hídrico, eles têm contado com doações para substituir as piabas e tilápias que eram pescadas.

“É uma tristeza profunda. Perdemos a liberdade de entrar e sair do rio. De repente, a gente chega na beira e só vê aquele ‘chocolate’ poluído, azedo”, diz o cacique Txonãg Pataxó, de 40 anos. Segundo ele, a vinda para Minas ocorreu justamente pela proximidade com o Paraopeba, algo com o que não contavam na Bahia.

Sagrado

Ao todo, são 80 índios que ficam em uma área de mata a menos de 200 metros do rio. O grupo se reunia à margem para cantar, dançar e manifestar gratidão. O ponto alto das celebrações ocorre em 5 de outubro. “Nesse dia, o povo pataxó faz o ritual da água, no qual agradecemos a nossa existência, pois foi da água que surgimos”.

Conforme o cacique, eles já avaliam a possibilidade de buscar outro local para manter a tradição. “Temos um lago sagrado perto da nossa aldeia mãe em Carmésia (na região Central, a cerca de 250 quilômetros de distância). Nossos familiares fazem a festa lá”. 

A comunidade, no entanto, garante que não pretende abandonar a aldeia em Brumadinho. “A gente batizou e consagrou nosso terreiro. Já morreu índio aqui e o espírito está plantado na terra, juntamente com o umbigo de nossas crianças”, ressalta o cacique.

Mesmo recebendo doações, que estariam sendo feitas pela Fundação Nacional do Índio (Funai), o clima é de apreensão. “Não sabemos até quando irão chegar”, afirma Txonãg Pataxó. Além dos donativos, eles têm mandioca, banana e cana de açúcar no terreno. A venda de artigos de artesanato em BH, como cocar, pulseira e colar, também ajudam a custear a alimentação da comunidade.

O cacique disse que ninguém da aldeia foi procurado pela Vale. A mineradora, porém, garante que já iniciou a conversa com os indígenas e prestará assistência. Procurada, a Funai não se manifestou até o fechamento desta edição.

índio tragédia brumadinho rompimento barragem

“Papel sujo”

Ao observar o tom marrom do Paraopeba, o cacique Hãyó Pataxó, de 28 anos, não acredita que o manancial possa retornar à normalidade. “É culpa do tal ‘papel sujo’, o dinheiro. O pensamento negativo que o homem tem de querer mais do que tem”, diz. “A natureza já nos falou que o rio não volta mais”, lamenta Hãyó.

Com lágrimas nos olhos que permaneciam fixados à água turva, o cacique Soyn Pataxó, de 54, também manifestou indignação. “Falam que o índio é destruidor, mas são as pessoas, as entidades, que matam a natureza”, acrescenta.

Assistência

Em nota, o governo de Minas informou que técnicos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social estiveram em Naó Xohã, em 29 de janeiro, após o rompimento da barragem, para fazer o registro dos atingidos, escutar as lideranças e levantar as demandas emergenciais. A pasta diz ter articulado com “órgãos parceiros” o atendimento aos índios, principalmente o abastecimento de água e alimentos.

Leia mais:

Chuva limita voos em Brumadinho, mas buscas por vítimas prosseguem pelo 14º dia

Polícia Civil realiza coleta de DNA de parentes de desaparecidos em Brumadinho

Projeto prevê desativação de barragens com água