O laudo feito por peritos na ossada do menino David Lucca Silva Machado, que teria sido morto pelo próprio pai em setembro deste ano, indicou que a criança foi assassinada a facadas. A informação técnica desmente a versão do suspeito, que afirmou ter deixado o filho desfalecido no matagal, em área rural, às margens da BR-040, supondo estar morto por sucessivas convulsões.

Além de matar o próprio filho, de 1 ano e nove meses e com paralisia cerebral, o suspeito também teria assassinado a mãe do menino, Fiama Antônia de Freitas Machado, de 25 anos. Mãe e filho moravam em Tombos, na Zona da Mata, e iriam a Belo Horizonte, com o suspeito, para uma consulta médica.

Após a viagem, mãe e filho ficaram desaparecidos. O corpo dela foi localizado na zona rural de Itabirito, na região Central de Minas, carbonizado. Em novembro, um exame indicou que o corpo encontrado era da mulher que estava desaparecida. Logo após o resultado, foi expedido mandado de prisão para o ex-namorado, pai do garoto. Os restos mortais do menino foram localizados dias depois. 

“A rota utilizada, o transporte irregular de gasolina no interior do veículo e as circunstâncias indicam que esse crime bárbaro foi premeditado”, apontou a delegada Maria Alice Faria, responsável pela investigação do caso.

Leia mais:
Polícia trabalha com hipótese de jovem ter matado o filho, que tinha paralisia, para se livrar dele
Suspeito de matar mulher e filho e queimar corpos é preso em Belo Horizonte