Dois meses após o rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, operada pela Vale, a faculdade de Medicina da UFMG recebe o lançamento do livro “Mar de Lama da Samarco na Bacia do rio Doce – em busca de respostas”. O evento será realizado nesta segunda (23), às 15h, no Salão Nobre da faculdade (Avenida Alfredo Balena, 190) e terá entrada gratuita.

A obra aborda temas que vão desde a estruturação do setor mineral no país e as consequências ambientais do rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, até a luta dos atingidos pela lama. O objetivo é analisar os crimes ambientais e humanos ocorridos nas duas cidades mineiras.

Organizada pelos professores Tarcísio Márcio Magalhães Pinheiro, Marcus Vinícius Polignano, Eugênio Marcos Andrade Goulart e José de Castro Procópio, o livro conta com o trabalho de 33 autores. 

Temas

Nos 19 capítulos da obra, são abordados temas como a estruturação do setor mineral no Brasil, o conceito de acidente de trabalho dentro de uma visão ampliada, o rompimento da barragem dentro do processo de organização da empresa, os danos ambientais sistêmicos, as ações e contradições do andamento do processo judiciário, entre outros. A obra também traz uma etnografia fotográfica do desastre, documentando as situações dramáticas e chocantes do crime ambiental.

Lançamento

O lançamento do livro faz parte do conjunto de atividades do Gabinete de Crise – Sociedade Civil, Plataforma de Informação e Justiça Socioambiental. A organização e publicação da obra são frutos dos esforços de professores do Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade, por meio do Observatório de Saúde do Trabalhador (OSAT) e do Projeto Manuelzão, com o apoio da Faculdade de Medicina da UFMG e da própria Universidade Federal de Minas Gerais.

Leia mais:

Corpos identificados em Brumadinho somam 212; número de desaparecidos cai para 93

'Se a Vale deu conta de matar mais de 300 pessoas, terá que dar conta da reparação', diz MP