A mãe do bebê que foi encontrado, nessa terça-feira (2), em cima do telhado de um prédio em Pouso Alegre, no Sul de Minas, foi levada para o presídio da cidade nesta quinta-feira (4). Segundo o Hospital das Clínicas Samuel Libânio, onde a mulher estava internada, ela foi levada sob escolta policial depois de receber alta médica pela manhã. A criança segue internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do mesmo hospital e seu quadro de saúde é estável.
 
Segundo a Polícia Civil, Taynara Priscilla da Silva, de 22 anos, é acusada pelo crime de infanticídio – quando a mãe tenta matar a criança logo depois de ela nascer. A suspeita é que a mulher tenha abandonado o bebê ainda recém-nascido em cima do telhado do prédio que fica na avenida Alfredo Custódio de Paula, no bairro Medicina. 
 
Ainda nessa terça-feira, Taynara foi presa em flagrante na faculdade em que estuda. Logo depois, ela passou por exames no Instituto Médico Legal de Pouso Alegre. Como foi constatado que Taynara sangrava bastante, já que havia dado a luz há pouco tempo, ela foi levada para o Hospital das Clínicas Samuel Libânio.
 
Conforme informações da PC, restos de placenta e sangue foram encontrados no quarto e no banheiro do apartamento em que Taynara mora. Segundo a corporação, a suspeita havia se mudado recentemente para o local, onde morava com três moças. Essas mulheres afirmaram à polícia que perceberam que Taynara estava com uma barriga “saliente”, mas que não chegaram a comentar nada com a suspeita. 
 
Taynara disse à Polícia Civil que somente falará sobre o caso em juízo. Segundo a PC, não há informações sobre a paternidade do bebê. Conforme a corporação, assim que o pai da criança foi identificado será levado para a delegacia para prestar esclarecimentos.
 
Relembre o caso
 
Nessa terça-feira (2), após escutar o choro de uma criança, uma mulher que passava pela avenida Alfredo Custódio de Paula acionou a Polícia Militar (PM). Ao chegar ao local, os militares encontraram o bebê sem nenhuma roupa, em cima de um telhado de um prédio. 
 
Em um dos apartamentos do prédio, a PM encontrou restos de placenta e vestígios de sangue. Por isso, logo foi levantada a suspeita de que o bebê seria de uma das moradoras do prédio. Para os militares, a menina foi colocada no telhado e não jogada, pois, provavelmente, ela não teria sobrevivido.