Uma mãe de 21 anos e o namorado dela, de 25, foram indiciados pela morte de um bebê de 10 meses, durante a passagem de 2020 para este ano, em Raul Soares, Zona da Mata.

De acordo com a Polícia Civil, ficou apurado que o namorado da mãe da criança desejava matar o bebê e já havia manifestado isso direta e presencialmente à mãe, que ainda assim permaneceu no relacionamento.

De acordo com o delegado Gilzan Lessa, o caso teve início no 1º de janeiro, quando a mulher relatou à polícia que o bebê foi encontrado já sem vida, por volta das 10h daquela data, na casa do namorado dela. Segundo a jovem, a criança havia passado mal durante a noite e o casal desconhecia a causa do óbito.

Naquele dia, no entanto, o corpo da vítima foi encaminhado a um hospital e a equipe médica informou haver traços de lesões externas no bebê. A criança passou por exames no Posto Médico-Legal, que constararam uma série de ferimentos com indicação de violência praticada recentemente.

A investigação apontou que o suspeito espancou brutalmente o bebê na noite de Réveillon, causando lesões que resultaram na morte da criança.

"A mãe adotou uma postura omissiva diante do quadro geral e no dia dos fatos de igual maneira, razão pela qual também é considerada penalmente responsável pela morte da criança", afirmou a delegado.

Obsessão pela mãe

De acordo com o delegado responsável, as investigações indicam que o suspeito matou o bebê por obsessão pela mãe da vítima. Informações colhidas e registradas no inquérito dão conta de ato violento contra o bebê, praticado pelo investigado em data anterior à da morte, bem como manifestações de desprezo pela criança. 

"Era necessário que ela dedicasse muito tempo ao filho, que vinha se apresentando doente há algum tempo e demandava cuidados contínuos, tornando a condição de namorada incompatível com a de mãe, segundo palavras da própria, que chegou a terminar o relacionamento algumas vezes por essa razão, o que deixava o investigado desesperado, nutrindo seu ódio pela criança", afirmou o delegado.

Indiciamento

Segundo o delegado, o homem foi indiciado por homicídio qualificado pelo motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima, com a presença de três circunstâncias agravantes.

"A vítima se trata de criança, o suspeito se aproveitou da hospedagem dada à mãe e ao bebê, e há indícios de embriaguez preordenada", informou Gilzan Lessa.

Já a mãe foi indiciada pela prática de homicídio simples, "por omissão na condição de garantidora da não ocorrência do resultado morte", concluiu.

O casal está preso preventivamente desde a ocorrência do fato e aguarda o julgamento.

Leia mais:
Poste de luz cai em caminhão-baú que passava por rua do bairro Camargos
Transferência eletrônica de veículos a compradores começa a funcionar
'Calculadora' desenvolvida na UFMG ajuda a salvar vidas, ao adiantar risco de morte por Covid