Uma médica da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), que trabalha em Ubá, na Zona da Mata, foi condenada a devolver R$ 100.050,65 aos cofres públicos. O valor corresponde aos meses de salário recebido pela servidora estadual, sem que houvesse a prestação do serviço.

Entre 2003 e 2004, a servidora apresentou sucessivas licenças médicas, ficando quase um ano afastada das atividades no Sanatório Padre Damião. Mas nesse período continuou trabalhando regularmente em uma clínica particular.

Após uma ação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) a médica foi condenanda a devolver o salário e recorreu da sentença. Mas o Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirmou a decisão e pediu o cumprimento da sentença para o pagamento do valor devido, que foi atualizado e corresponde a R$ 100.050,65.

Segundo a decisão, “a ré causou danos ao erário, pois foram efetuados gastos com o pagamento integral de seus vencimentos, sem que houvesse a efetiva prestação dos serviços”.