Um médico conselheiro do Hospital São Lourenço, no Sul de Minas, furou a fila de vacinação contra a Covid-19 e recebeu a primeira dose da CoronaVac durante a campanha de imunização realizada na unidade de saúde do município. A informação foi divulgada nessa terça-feira (26) pela direção da instituição.

Segundo nota do hospital, o caso aconteceu no último dia 20 de janeiro, quando foi iniciada a vacinação dos profissionais de saúde que atuam na linha de frente no combate à doença da unidade.

Na ocasião, o médico, que não faz parte do grupo prioritário, foi até a sala de imunização dizendo que queria ser vacinado. Ele foi informado pelos profissionais do hospital sobre a regra estabelecida na primeira etapa, mas “mesmo assim, insistiu em ser vacinado, adentrando a sala e solicitando a imunização junto à equipe de Enfermagem da Saúde do Município”, diz a nota.

Segundo a instituição, não houve, por parte do hospital, “qualquer indicação e nome fora das recomendações estabelecidas pelo Ministério da Saúde para vacinação, bem como desconhecemos os critérios que embasaram a aplicação do referido profissional”.

Após o episódio, o hospital elaborou uma relação de médicos e funcionários que devem receber a aplicação da vacina. O documento foi entregue à Prefeitura Municipal de São Lourenço, já que a vacinação é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Saúde.

“Sendo assim, não há na listagem em questão – quaisquer nomes de conselheiros ou dirigentes do Hospital São Lourenço nem de profissionais da instituição que não estejam na linha de frente enfrentamento direto à COVID-19”, finaliza o comunicado emitido pela unidade de saúde.

Procurado pelo Hoje em Dia, o hospital não informou o nome do médico. A reportagem tentou localizá-lo, mas não foi encontrado. O espaço permanece aberto para futuros posicionamentos. 

Leia mais:
Eduardo Bolsonaro defende leite condensado e justifica alto custo na compra do produto
'Uma luz no fim do túnel', diz enfermeira vacinada que atua no combate à Covid em 2 hospitais de BH
Minas registra mais de 700 mil infectados e bate novo recorde de mortes por Covid em 24h