Médicos da rede pública de saúde de Belo Horizonte fazem uma nova paralisação de 24 horas desde às 7 horas da manhã desta terça-feira (23). Somente serão atendidas as urgências e emergências.

O Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG) alega que a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), tem tratado a categoria com descaso e, que mesmo com a pressão das paralisações e pedidos de reuniões para negociar a pauta de 2016, a prefeitura não retorna às solicitações.

Os médicos reivindicam, além de reajuste salarial, melhores condições de trabalho. Segundo o Sinmed-Mg, profissionais da área em BH relatam existir dez aparelhos de ultrassonografia que estão em péssimo estado de conservação. Ainda segundo eles, as imagens não permitem um diagnóstico preciso por parte dos profissionais.

Há também relatos da falta de medicamentos básicos nas unidades de saúde, principalmente neste período no qual as demandas de pacientes com suspeita de dengue estão em alta. Também há queixa da falta de materiais básicos nas UPAs como papel toalha, seringas e outros.

Na UPA Leste, o Raio X está quebrado há dois meses, denunciou o sindicato. Segundo o órgão que representa a categoria dos médicos, os pacientes com fratura ficam por horas sem atendimento.

Além da paralisação, a categoria volta a se reunir em assembleia geral às 14 horas na sede do sindicato, para definir novas ações. O Sinmed-MG também espera que a Prefeitura agende uma reunião com a entidade representativa dos médicos para dar andamento nas negociações.