A maior parte das crianças e jovens vítimas de acidentes de trânsito em Minas Gerais ocupava veículos no momento do incidente, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). O perigo está dentro de carros,vans e ônibus para crianças de 5 a 14 anos e jovens 15 a 19 anos. Entre o público mais jovem chega a 35,7% dos acidentes e entre os mais velhos 32,2%.

Especialista em segurança no trânsito, Eduardo Biavati explica que os acidentes acontecem por causa da falsa ideia de segurança que os pais têm com os filhos como passageiros. 

“A primeira coisa que os pais precisam entender é que não adianta esconder a criança dentro do carro. Todo pai, toda mãe acha que se tirar a criança da rua, se não deixar ela caminhar, ela está livre do perigo, mas os dados mostram que não”, destacou Biavati.

Para melhorar essa realidade, ele orienta que os pais sempre utilizem a cadeirinha para crianças menores e o cinto de segurança para as maiores, que sempre devem ir no banco de trás. “Nós temos várias maneiras de levá-las com segurança”.

Na condição de pedestre, as crianças também continuam sendo vítimas de atropelamentos (26,1%). Entre os jovens, é a terceira causa de acidentes.

Motocicletas

Os jovens de 15 a 19 anos têm como segunda causa de acidentes as motocicletas, na condição de passageiros ou de pilotos, até mesmo sem idade para possuir habilitação. Para driblar a fiscalização, Eduardo Biavati explica que, principalmente no interior, os jovens optam por motos até 49 cilindradas. “Depois disso é preciso ser habilitado. Eles compram essa motos e depois vão nas oficinas e turbinam para 60 cilindradas. Essa e uma motorização que não deveria estar acontecendo. Não é porque um garoto dessa idade não consegue ligar uma moto, mas porque o ambiente viário é ruim e isso aumenta muito a exposição a acidentes”.