O pão de queijo, o tropeiro e o doce de leite, a hospitalidade mineira, as serras e montanhas não têm atraído tantos estrangeiros e turistas de outros estados para Minas Gerais. Pesquisa da Secretaria de Estado de Turismo (Setur) revela que 66,8% daqueles que visitam o Estado são daqui mesmo. O levantamento ouviu 3.686 turistas, em 22 municípios estratégicos do turismo, durante julho e outubro do ano passado.


Para o responsável pela Diretoria de Pesquisa, Informação e Estatísticas da Setur, Rafael Oliveira, o fato de a grande maioria dos turistas serem internos demonstra uma característica do próprio mineiro, que “roda” o Estado para visitar amigos e parentes. “Tem a ver com essa vocação de Minas”, afirma.


A diretora técnica da Federação dos Circuitos Turísticos de Minas Gerais (Fecitur) e vice-presidente do Conselho Estadual de Turismo, Daniele Feyo, acredita em uma tendência do mineiro em viajar por Minas, algo que deve se intensificar ainda mais. “Isso é um diferencial. Se formos ver, poucas pessoas viajam dentro dos seus estados”.


Entretanto, ela avalia que o dado chama atenção para a necessidade de se “vender” melhor Minas Gerais lá fora. “O Estado precisa se formatar mais enquanto produto, no sentido de expandir sua oferta. As coisas se concentram muito em Belo Horizonte e em seu entorno”.


Campo de atuação


Daniela defende a descentralização das políticas públicas no setor, valorizando mais o interior, além da inserção do turismo na agenda do desenvolvimento econômico do Estado.


“Precisamos organizar e conhecer os produtos já adequados para o mercado e fazer investimentos”, reforça.


Segundo Rafael Oliveira, a pesquisa serve justamente para embasar o desenvolvimento de novos produtos, de acordo com os perfis de turistas traçados. “A partir dos dados também podemos elaborar estratégias de como atrair turistas de fora”, diz.


Satisfação


A viagem a Minas Gerais atendeu ou superou as expectativas de 92,7% dos turistas entrevistados, revela o levantamento. O circuito mineiro que as pessoas mais têm interesse de visitar em uma segunda vinda ao Estado, com 28,5%, é o da Serra da Canastra, que tem como principais cidades Araxá, Sacramento e São Roque de Minas.


O Circuito do Ouro segue na lista com 23,3% das intenções, tendo o município de Ouro Preto como principal polo. Em seguida vêm o Circuito dos Diamantes (Diamantina e Serro), com 21%, e o Circuito das Águas, 20,3%, com os municípios de Caxambu e São Lourenço.


Quem vem ao Estado também se sente bem atendido quanto aos serviços ou dimensões turísticas, como segurança pública, qualidade de hospedagem, opções de lazer e entretenimento, hospitalidade, gastronomia dentre outros. Esses itens tiveram nota média de 7,8, em um total de 10 pontos, representando um aumento de 1,9% quando comparado com o levantamento realizado em 2012.


Os itens com melhor avaliação foram serviços de hospitalidade (8,8), gastronomia/restaurantes (8,8) e qualidade da hospedagem (8,5).


Quando questionados qual a “primeira imagem que vem à cabeça quando se fala Minas Gerais”, as três principais menções foram gastronomia (33,2%), características do povo mineiro, como a hospitalidade (12,9%), e serras e montanhas, com 12,1%.


A média de gastos do turista que vem a Minas subiu 81,4% na pesquisa de 2014 em relação à de 2012, passando de R$ 409 para R$ 742 por viagem

Levantamento mostra que maioria dos turistas que visitam os circuitos mineiros são do próprio Estado