Taxistas e motoristas do Uber travam uma batalha na Câmara Municipal de BH, na tarde desta terça feira (15), onde está marcada a votação, em primeiro turno, do projeto de lei do executivo (1797/2015), que prevê a regulamentação do aplicativo.

Se o projeto for aprovado, todos os motoristas deverão ser registrados na prefeitura e ter autorização da BHtrans para prestar o serviço. Segundo a segurança da Casa, mais de 750 pessoas lotam as galerias do plenário para acompanhar a votação. Cerca de 450 taxistas e 350 apoiadores do Uber. O excesso de gente chegou a gerar um pequeno tumulto. Muitas pessoas ainda desejam entrar na Câmara, mas a segurança está barrando, por superlotação.

Logo após a abertura da reunião, no pinga fogo, o vereador Preto, líder do governo na Câmara, disse que havia um acordo entre os parlamentares para votar apenas as matérias que travam a pauta e o projeto de lei que trata da regulamentação do Uber. Ele foi contestado por colegas, que querem também votar o Plano Municipal de Educação, cujos prazos para aprovação já estão extrapolados, de acordo com lei federal. "Se não votar o PME, também não votaremos o projeto dos taxistas" afirmou o vereador Altair Lopes (PSC). Por causa do impasse, a sessão foi suspensa por 15 minutos.