Oito a cada dez motoristas da Grande BH usam aplicativos de transporte de passageiros quando saem de casa para beber. Segurança e praticidade ajudam a explicar o índice na região, que supera a média nacional. No Brasil, 68% dos condutores utilizam as plataformas ao frequentar bares, festas e comemorações. No entanto, o medo de ser pego em uma blitz da Lei Seca também motiva a atitude mais prudente.

Os números são de uma pesquisa do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), feita pelo Instituto Datafolha. Cerca de 3,5 mil pessoas foram ouvidas em abril nas capitais, cidades metropolitanas e interior do país. O objetivo é chamar a atenção para o “Maio Amarelo”, movimento que debate a violência no tráfego.

No ano passado, o Código de Trânsito Brasileiro (CBT) tirou a possibilidade de o motorista embriagado ser liberado após pagar fiança. Quem é flagrado comete infração gravíssima, sendo multado em R$ 2,9 mil. A carteira de habilitação é recolhida e a pessoa pode ir parar atrás das grades. 

Ciente desses riscos, o médico residente Matheus Soares, de 24 anos, sempre deixa o automóvel na garagem quando sai de casa para se divertir.

Vindo do interior do Estado para morar em Belo Horizonte, ele se preocupa com as blitze. “A multa é cara, o carro é apreendido e você ainda vai preso. É um trabalhão, tenho amigos que já perderam a carteira por conta disso. Se é uma sexta-feira, por exemplo, vou dirigindo para o trabalho, depois passo em casa, deixo o carro e vou beber”.

Para 51% dos entrevistados, a segurança é o principal motivo para o uso dos apps

Mais rigor

Para o tenente Marco Antônio Said, assessor do Batalhão Trânsito (BPTrans) da Polícia Militar, o rigor influenciou na mudança de atitude dos condutores. “Aumentamos as fiscalizações, que são diárias, e a lei se aprimorou. Hoje, com a facilidade dos aplicativos, não é preciso cair nessa cilada”.

O peso da infração foi um dos motivos para a nova postura adotada pelo analista de exportação Jhonas Max Guimarães Dias, de 25 anos. “De app, a gente paga R$ 15, R$ 20 para ir para casa. É mais fácil, me sinto mais à vontade no bar”, afirma o rapaz, que também destacou a consciência em paz por não colocar em perigo a vida de outras pessoas.
 

“A multa, além de ser cara, é pontuada na carteira. E a pessoa ainda corre o risco de ser presa” (Márcio Aguiar, engenheiro de transporte e trânsito)


Redução

As estatísticas mais recentes apontam uma redução de aproximadamente 10% nos acidentes de trânsito, entre 2018 e 2017, motivados por embriaguez ao volante em Minas, segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp).

Para o consultor em transporte e trânsito Osias Baptista Neto, um dos motivos é a presença das plataformas Uber, Cabify e 99.

Conforme o especialista, as facilidades oferecidas explicam as atuais escolhas. “As pessoas não têm que se preocupar em estacionar, ter o carro roubado, cometer um acidente. Não têm que parar longe, sair andando no escuro para chegar até o veículo”, diz Neto, que ainda acrescentou: “antigamente, ninguém pegava táxi, tinha que ligar para a cooperativa. Hoje, em qualquer lugar, tem uma possibilidade de transporte. Você consegue aliar o endurecimento da fiscalização a uma nova postura da sociedade”. 

*Colaborou Bruno Inácio