Cerca de 1.200 veículos foram abordados, até a tarde de quarta-feira (29), desde a implantação das barreiras sanitárias pela Prefeitura de Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

As barreiras foram instaladas na segunda (27), em três pontos diferentes do município, para medição de temperatura e preenchimento de um questionário sobre o estado de saúde, pelos ocupantes dos veículos.

De acordo com o secretário de Saúde da cidade, Rodrigo Augusto Vieira, não houve ainda casos em que  ocupantes apresentaram sintomas e precisaram ser orientados a procurarem uma unidade do posto de saúde.

"Tivemos um aumento grande de casos e óbitos na cidade e estas barreiras servem como um modo de prevenção para a nossa população", registra o secretário. 

No último boletim da Secretaria Estadual de Saúde, divulgado na manhã desta quinta (30), a cidade tem 2145 casos confirmados e 54 mortes.

As barreiras, presentes nos bairros Centro e Veneza e no distrito de Justinópolis, funcionarão até 30 de agosto, nos horários de 7h às 9h e de 17h às 19h. "Esses horários são os de maior movimento, com a entrada e saída de pessoas".

Desde o dia 20 de julho, Ribeirão das Neves vem seguindo o programa Minas Consciente, do governo estadual. Atualmente somente os serviços essenciais podem funcionar.

A cidade é dependente do sistema de saúde de Belo Horizonte, mas a prefeitura tem buscado ampliar a sua rede de leitos na cidade. "Tínhamos 12 leitos semi-intensivos e conseguimos passar para 32. Em breve, serão 36. Na próxima semana, o hospital São Judas Tadeu ganhará dez leitos de UTI", adianta Augusto Vieira.

A prefeitura também encaminhou para a Câmara dos Vereadores projeto de lei para estabelecimento de multa no valor de R$ 50 para quem não usar máscaras em vias públicas e estabelecimentos comerciais. A Câmara retornará do recesso na próxima semana, quando a pauta deverá ser votada.