A decisão a respeito do ressarcimento do dinheiro investido para a construção do viaduto Batalha dos Guararapes deve sair apenas no mês que vem. Uma reunião entre o Ministério Público Estadual (MPE) e as empresas respeonsáveis pelo projeto e execusão da obra está marcada para início de fevereiro.

Nesta quinta-feira (28), os empresários tiveram uma reunião com o promotor Eduardo Nepomuceno, da Promotoria de Patrimônio Público para avaliar a forma que a devolução dos recursos, montante superior a R$ 13 milhões, será feita a Prefeitura de Belo Horizonte. O elevado caiu em 2014 matando duas pessoas e deixando outras 23 feridas, no bairro Planalto, região da Pampulha.

Esta é a segunda vez que a reunião é realizada na promotoria. Em novembro, um encontro foi marcado,mas não houve resultado. Nesta quinta apenas os representantes das empresas Consol e Cowan, além da promotoria participaram da reunião.

O diretor-presidente da Consol, Maurício Lana, disse que espera por um acordo entre as empresas e a prefeitura. “Nós já entregamos o projeto alternativo para a área onde aconteceu a queda do viaduto e esperamos que haja um entendimento entre todos os envolvidos”, disse.

O projeto, que foi entregue no ano passado a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) e segue em análise.  Caso não haja acordo na próxima reunião, a promotoria avalia a abertura de uma ação civil pública para garantir a devolução dos valores investidos.

O Hoje em Dia procurou os representantes da Cowan para falarem sobre o assunto, mas nenhuma das ligações foram atendidas.