Chegou a 238 o número de mortos identificados pelo Instituto Médico Legal (IML) da Polícia Civil de Minas após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

A barragem I da Mina de Córrego do Feijão se rompeu no início da tarde do dia 25 de janeiro e os rejeitos atingiram a área administrativa da mineradora, incluindo o refeitório, uma pousada e casas na área rural da Vila Ferteco. O mar de lama também atingiu o rio Paraopeba, um dos afluentes do São Francisco. 

Segundo a Defesa Civil, até esta sexta-feira (10), 32 pessoas continuavam desaparecidas na tragédia. A polícia informou que não divulgará o nome dessa última vítima identificada a pedido da família.

A operação de buscas entrou no 106º dia com a atuação de 133 militares, em 19 frentes de trabalho, e quatro cães farejadores. Além disso, 112 máquinas pesadas e um drone auxiliam os militares.

O Corpo de Bombeiros procura agora por corpos no tribunal de cargas ferroviário, local onde o solo está mais seco, na área dos sítios, na região do acesso à pousada e na Ponte Alberto Flores.

De acordo com a corporação, foi aumentada a quantidade de máquinas e novos equipamentos estão em teste. Na frente de trabalho na ponte Alberto Flores as ações de buscas vão se estender até as 2h da madrugada deste sábado (11).

Veja o mapa de buscas:

Mapa buscas

Leia mais: 
Espetáculo leva alento a afetados pela tragédia em Brumadinho
Criança de 3 anos que se afogou em piscina de pousada em Macacos morre após oito dias internada
'As 3 prioridades daqui em diante são segurança, pessoas e reparação', diz Vale