Belo Horizonte e Nova Lima (região metropolitana), Pompéu (Central), Capelinha (Vale do Jequitinhonha), São João del-Rei (Campo das Vertentes), São Lourenço (Sul de Minas) e Ubá e Viçosa (Zona da Mata). Os casos de intoxicação por dietilenoglicol – que podem ter relação com o consumo de cerveja contaminada – foram registrados em oito cidades de seis regiões mineiras.

Nesta quinta-feira (23), mais três homens e uma mulher entraram para a lista da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). No total, já são 26 notificações.

Quatro pacientes tiveram a presença da substância tóxica comprovada no sangue por meio de exames. Um deles morreu. Outros três óbitos seguem como suspeitos.

Depoimentos
Também nesta quinta, quatro novas testemunhas foram ouvidas. A contaminação das cervejas é investigada pela Polícia Civil. A corporação quer saber se os pacientes ingeriram a substância tóxica já confirmada na bebida da Backer. Com as novas oitivas, chega a 16 o número de pessoas que prestaram depoimento para esclarecer a origem das intoxicações.

Análises do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apontaram contaminação por dietilenoglicol e monoetilenoglicol em 82 lotes da Backer. O Mapa determinou o recolhimento imediato de todos. A cervejaria foi novamente procurada, mas não se manifestou até o fechamento desta edição.