Foram condenados pela Justiça mineira dois integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), a maior facção criminosa do país, pelo homicídio de um rival que pertencia ao grupo criminoso carioca Comando Vermelho (CV), em Elói Mendes, no Sul de Minas Gerais. O crime aconteceu em 2017 na cidade. 

Segundo informações do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), pelo crime, um dos réus foi sentenciado a 28 anos de prisão e o outro a 26 anos de reclusão.

"Em razão do desmembramento do processo, um terceiro réu, que também encontra-se encarcerado, será julgado em outra oportunidade. No julgamento, na terça-feira (29), o conselho de sentença reconheceu os crimes de homicídio triplamente qualificado e de corrupção de menores", detalha o órgão. 

O crime, segundo a apuração da Promotoria de Justiça de Elói Mendes e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), núcleo Varginha, foi cometido pelos integrantes do PCC visando a intimidação coletiva. Para isso, eles sequestraram e mataram, com requintes de crueldade, o membro da facção rival. A motivação seria a disputa por pontos de tráfico de drogas em Elói Mendes.

Além disso, ainda conforme o MPMG, o assassinato cruel foi filmado para que os executores pudessem comprovar o cumprimento da “missão”, ordenada pela cúpula do PCC. Inclusive, as imagens da decapitação do rival chegaram a circular nas redes sociais.

Relembre

O homicídio gerou a instauração de duas investigações pelo MPMG, sendo a primeira delas para apurar a morte do integrante do CV, o que acabou culminando na condenação dos dois membros do PCC. Já a segunda apuração tinha o objetivo de identificar os crimes de tráfico de drogas e organização criminosa. 

Nessa última, foi comprovada a atuação de uma célula do PCC na cidade de Elói Mendes, o que já resultou em 11 condenações, sendo a pena mais elevada fixada em 148 anos de reclusão.

Leia mais:
Nove integrantes do PCC são detidos em operação após morte de jovem decapitado no Sul de Minas
Dois ônibus são incendiados em Elói Mendes, no Sul de Minas
Líderes do PCC que ordenaram ataques a ônibus serão transferidos para prisão de regime mais rigoroso