A adolescente de 15 anos, Débora Maranhês, que estava desaparecida desde o sábado (20), depois de sair de casa em Belo Horizonte para ir ao cinema, foi encontrada em João Monlevade, na região Central de Minas Gerais.

A menor teria pedido ajuda na residência de um morador local por volta de 4 horas da madrugada desta segunda-feira (22). A Polícia Militar (PM) compareceu ao local, que fica no bairro Nova Esperança, e foi informada pela própria adolescente que ela teria sido sequestrada na Praça da Liberdade na capital mineira no sábado à noite.

Ela contou ainda que ela teria sido abordada por dois homens que possuiam em torno de 30 a 40 anos. Eles portavam uma arma de fogo e se aproximaram dentro de um veículo de cor escura, modelo Hatch.

Foi constatado um registro de desaparecimento no nome da jovem e os pais dela foram contactados. Eles foram até o quartel de João Monlevade nesta manhã e levaram a adolescente de volta para casa.

A adolescente apresentava escoriações nos braços, percoço, pernas e abdomen. Ela foi encaminhada para o Hospital Margarida para atendimento médico.

De acordo com a PM, a menor será apresentada à Delegacia de Polícia Civil (PC), sendo acompanhada dos pais dela, para prestar mais informações sobre o ocorrido. Os autores ainda não foram identificados. A PC esclareceu que o depoimento prestado por vítimas de casos de desaparecimento depois da localização é necessário para a verificação de ocorrência de crimes, por isso é importante que a família informe à polícia sobre a localização ou retorno voluntário da vítima para a casa.

O celular de Débora estava desligado desde sábado. Amigos e familiares se mobilizaram nas redes sociais, desde o desaparecimento, em busca de informações sobre a garota. De acordo com a mãe da adolescente, Sandra Maranhês, Débora assistiu a um filme no centro da Capital com a amiga e, de lá, as duas seguiram para a praça da Liberdade, onde se encontraram com uma turma. A adolescente entrou em um ônibus da linha 4111 (Dom Cabral/Anchieta) na avenida Cristóvão Colombo, mas não chegou em casa.

Como a delegacia de Pessoas Desaparecidas não tem plantão, Sandra registrou um Boletim de Ocorrência (BO) na Delegacia Virtual. Débora estuda no Colégio Santo Antônio, um dos mais tradicionais de Belo Horizonte. Uma postagem do Colégio em uma rede social pedindo informações sobre a garota já obteve mais de 7,3 mil compartilhamentos.

A mãe destaca que a família não tem problemas de relacionamento e que Débora não tinha motivos para fugir. “É uma menina que sai com as amigas, tem autonomia. Não entendo o que está acontecendo”, diz.

Polícia Civil investiga o caso

Débora foi encaminhada à Delegacia de Plantão em João Monlevade, onde contou ao delegado que foi sequestrada quando desceu de um ônibus próximo ao Terminal Rodoviário da capital. Na ocasião, teriam sido roubados da jovem R$ 60 reais em dinheiro e o celular dela. O delegado de Plantão em Monlevade expediu uma guia de corpo de delito, e a garota foi entregue à mãe.

* Com Tatiana Moraes