Obedecendo aos conselhos da mãe, Marcos Leandro Gonçalves de Oliveira, o menino de apenas 10 anos que desapareceu no último sábado (29), não conversou e muito menos entrou no carro de desconhecidos para evitar que qualquer coisa de ruim acontecesse. Para isso, o menino andou por mais de 20 km, do bairro Terezópolis, em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, até o Centro da capital mineira, onde pediu ajuda após avistar uma viatura da Polícia Militar (PM), na noite de terça-feira (2).

Com bolhas nos pés como resultado da longa caminhada, o garoto já está em casa sob os cuidados da mãe, a vendedora de cosméticos Rozimar Alves de Oliveira, de 34 anos, que conversou com o Hoje em Dia nesta quarta-feira (3). 

Marcos saiu de sua casa, no bairro Dom Silvério, na região Nordeste de BH, para acompanhar a irmã, de 15 anos, que iria fazer um trabalho escolar na casa de colegas. Porém, acabou indo parar na cidade vizinha, na casa de amigos da irmã mais velha. 

"Ele estava na casa desse pessoal com a irmã, mas, quando me viu na reportagem, procurando por eles, entrou em desespero e saiu andando. Só parou quando cansou, já no Centro de Belo Horizonte. Aí esperou até que viu uma viatura da PM e pediu ajuda. Eu sempre falo com ele para não entrar no carro de estranhos, então ele não quis pegar carona. Disse que não queria que ninguém 'sumisse' com ele", conta, orgulhosa, Rozimar. 

O garoto saiu da residência onde estava com a irmã antes das 16h de terça e, cerca de 3h30 depois, foi localizado  na região central após acionar os policiais. Ainda de acordo com a vendedora, o menino não precisou ser levado para o hospital e está bem de saúde, apesar das bolhas. Porém, a filha adolescente precisou ir para o Hospital Odilon Behrens para passar por exames. O motivo não foi precisado pela mãe.

"Os policiais me disseram que foi a própria dona da casa onde eles estavam que reconheceu minha filha e chamou a polícia. Graças a Deus nada de ruim aconteceu com eles. O Marcos foi muito inteligente, por isso eu falei que já esperava que cedo ou tarde ele ia aparecer. Ele é um menino especial", conclui Rozimar. 

Procurada, a assessoria de imprensa da Polícia Civil (PC) informou que, após o encontro dos dois menores, a investigação aberta pela Delegacia Especializada em Localização de Pessoa Desaparecida foi encerrada, já que nenhum crime foi identificado no sumiço dos irmãos. 

O desaparecimento 

Era por volta das 16h de sábado quando o garoto e a irmã saíram da casa da família supostamente para ela fazer um trabalho de escola. Depois disso, a mulher não teve mais notícia dos filhos, tendo acionado a polícia no domingo (30). Desde o sumiço, a única informação que a mulher teve foi um vídeo publicado na rede social Instagram pela adolescente.

Após três dias desaparecidos, as fotos dos irmãos já circulavam nas redes sociais em uma tentativa desesperada da família de localizá-los, chegando também até vários veículos da imprensa. Foi então que, no fim da tarde de terça, a mãe recebeu uma ligação da polícia avisando que a filha havia sido achada em Betim. A princípio, a informação que se tinha era que o garoto pegou dinheiro na casa onde a irmã estava e disse que iria embora. 

A vendedora contou ainda que a filha já fugiu de casa antes, mas sempre aparecia após pouco tempo, ou na casa do pai ou após ela acionar a polícia. "Mas dessa vez ela está com o Marcos, que é muito cabeça, ele não faz esse tipo de coisa, não dorme longe de mim. O que me preocupa é que ele é hiperativo, toma medicação. Quando está sem a ritalina fica muito elétrico e acaba se machucando", lembrou a mãe antes do caçula ser localizado. 

Leia mais:
Após três dias sumida, adolescente é encontrada em Betim, mas irmão de 10 anos segue desaparecido
Desaparecido há 3 dias, menino de 10 anos procura delegacia em Belo Horizonte
Criança brasileira de 2 anos desaparece em rio na fronteira entre EUA e México
Idoso que se perdeu durante escala de voo em Confins é encontrado nesta terça na Pampulha