Vai para os Estados Unidos a lazer e precisa estar com o inglês na ponta da língua? Ou seu desejo é decifrar artigos científicos e apresentar-se para uma banca de estrangeiros afiados no idioma da rainha? Não importa qual seja seu interesse, há um caminho disponível para todos eles e cujo destino é um só: ficar em dia com a linguagem mais popular do mundo. 

Na UPTime – Comunicação em Inglês, a opção são os cursos corporativos, voltados para quem já atua no mercado de trabalho e quer aprender o idioma que se encaixa perfeitamente no ramo de atuação. As áreas vão desde a indústria automobilística e finanças a aviação e engenharia. 

O diretor de Pesquisa e Desenvolvimento do grupo, José Alves de Castro Júnior, explica que o diferencial desse método é que aumenta a motivação, facilitando o aprendizado. “Quando o aluno está em um contexto comum ao próprio cotidiano, a aceitação e absorção do conteúdo são ainda maiores”, diz.

Segundo ele, o turismo vem liderando a procura nas unidades de Belo Horizonte, sobretudo em função da realização da Copa do Mundo, em 2014, e das Olimpíadas, no ano passado, que aqueceram o segmento. “Tudo que é ligado ao turismo chama muita atenção. Nesse caso, o que muda é a contextualização, trabalha-se mais vocabulário”, detalha Júnior, citando o teor das aulas. 

A Student Travel Bureau (STB) oferece cursos de inglês no exterior em oito diferentes áreas, dentre elas medicina, gás e petróleo, finanças e aviação

Imersão
Vivenciar o dia a dia da profissão e, de quebra, aprender sobre a cultura local são atrativos da Student Travel Bureau (STB), agência de intercâmbios que oferece pacotes para cada contexto profissional. Estudantes de medicina, por exemplo, têm a possibilidades de passar as férias de janeiro ou julho na Universidade da Califórnia, em San Diego, nos Estados Unidos. A viagem dá direito a visitar hospitais e até a conhecer o centro de pesquisas da instituição de ensino. 

Criar um curso totalmente personalizado também é possível nas unidades da Cultura Inglesa BH. Para essa modalidade, no entanto, é preferível que o candidato conheça o mínimo da língua inglesa. O gerente corporativo da escola, Paulo Lopes, conta que há opções para pilotos, comissários de bordo, economistas e atendimento ao público. 

UPGRADE

Foi pensando em dar um upgrade na carreira que o gerente de controladoria Sérgio Alexandre Moreira decidiu matricular-se nas aulas de inglês. Foram pouco mais de 30 dias de um curso intensivo que lhe deu base suficiente para conseguir se comunicar com clareza e representar a empresa onde trabalha, em Belo Horizonte, nos Estados Unidos. 

“Quanto mais perto do interesse e da realidade do aluno, do objetivo final, tiver o processo de aprendizado, mais efetivo ele se tornará” (José Alves de Castro Júnior, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento do grupo Up Time)

Para esse ano, a meta é aprimorar o idioma, voltado para o cotidiano da empresa. “Pretendo continuar no inglês regular, mas paralelamente a um modelo voltado para negócios, que é minha necessidade nesse momento”, conta. Sérgio estudou no Number One. A escola também oferece cursos customizados em cada área de atuação.