“Tirar leite de pedra”. Assim os funcionários da manutenção do metrô de Belo Horizonte definem a rotina de reparos nos obsoletos trens da capital. O preço pela demora da modernização e expansão do sistema é alto. São R$ 68 milhões gastos por ano pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) só para resolver as panes nos trens.

Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Empregados em Empresas de Transportes Metroviários e Conexos de Minas Gerais (Sindimetro), Romeu José Machado Neto, por semana, em média, entre três e quatro falhas incapacitam uma composição inteira. Além disso, ao menos uma vez a cada sete dias alguma pane trava todo o sistema.

“Todo equipamento tem vida útil limitada, e alguns itens não são encontrados para reposição. É preciso modernizar. Mas isso é visto como investimento pela CBTU, que posterga. Precisamos até fabricar peças artesanalmente para substituir outras”, diz Romeu, que trabalha no setor de manutenção do metrô.

A CBTU confirmou o valor gasto nos consertos e na conservação, mas não informou a quantidade de falhas.

Apagão

Quando as panes ocorrem em horários de pico, a defasagem do sistema fica em evidência. Foi o que ocorreu na terça-feira (10) com um trem na Estação Eldorado, em Contagem, na Grande BH. Foi necessário substituir toda a composição. As conse-quências para os passageiros são os atrasos e a superlotação.

Houve acúmulo de pessoas na plataforma da estação. Os funcionários foram obrigados a realizar um controle de fluxo, impedindo que mais pessoas passassem pelas catracas.

Nova direção

Para o especialista em trânsito Silvestre de Andrade, o metrô de BH passa pela pior fase da história. “Ainda é operado pela CBTU, mas será repassado à Metrominas. Com isso, falta atenção às necessidades da linha”.

Para Silvestre, o metrô assume um papel cada vez mais importante. “Por causa do aumento do tráfego, as pessoas utilizam mais o serviço. Quanto mais usado, maior a necessidade de manutenção”, diz.

Segundo o presidente da Associação de Arquitetos e Engenheiros de Metrô (AAEM), José Geraldo Baião, nenhum sistema é infalível, mas o que se busca é evitar “quebras” durante a operação.

“Os sistemas mais novos falham menos. Porém, os antigos, com boa manutenção, podem durar décadas”

Gente demais para o sistema

Enquanto a expansão das linhas não sai do papel, o metrô de BH receberá dez novos trens no segundo semestre de 2014, ao custo de R$ 171 milhões, na tentativa de reduzir a superlotação.

Com as novas composições, a previsão é aumentar a capacidade da linha 1, a única, em 50%.

Além disso, a CBTU realiza testes de circulação de trens com oito vagões nos horários de pico.

Inaugurado em 1986, o “trem de superfície” de BH não suportou o volume de passageiros. Em 1990, eram 13 milhões. Dez anos depois, 27,2 milhões, e chegou a 57,4 milhões no ano passado. Até maio de 2013, transportou 25,4 milhões de usuários.

De R$ 3 bilhões, só vieram R$ 14 milhões

Passados dois anos e três meses do anúncio do governo federal de que iria liberar R$ 3 bilhões para a ampliação e modernização do metrô de Belo Horizonte, a Metrominas recebeu apenas R$ 14 milhões. A informação é da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop).

Com esse recurso, foram realizados serviços de sondagem e geotécnicos. Os estudos elaborados estão em fase de análise por técnicos da secretaria.

A Setop informou que os resultados não estão concluídos. Entretanto, garante que as conclusões preliminares não afetam substancialmente a concepção original dos projetos.

A previsão é a de que no início de 2014 aconteça uma audiência pública da obra da Linha 3 (Lagoinha-Savassi). Logo após, provavelmente em maio, deverá ser publicado o edital de obras.

Para o mesmo mês está prevista uma audiência pública da Parceria Público-Privada para as linhas 1 (Novo Eldorado - Vilarinho) e 2 (Barreiro - Nova Suíça). A expectativa é a de que as obras sejam iniciadas no ano que vem.

A Setop informou que os estudos preliminares apontam que a linha 3 não terá problemas de perfuração do solo.

Visita de Dilma

A presidente Dilma Rousseff era aguardada em Belo Horizonte na última segunda-feira para anunciar recursos para o metrô.

Entretanto, em função da viagem dela à África do Sul para o funeral de Nelson Mandela, a vinda à capital deverá acontecer após 20 de dezembro.

Ponto a ponto

- 1º de agosto de 1986 – É inaugurado o primeiro trecho do metrô em Belo Horizonte. Na época, apenas seis estações entraram em operação entre o Eldorado, na divisa com Contagem, e a Lagoinha, à margem do ribeirão Arrudas, na região central da capital. A extensão inicial era de 10,8 km e apenas três trens operavam.

- 1987 – Começa a funcionar a estação Central e mais dois trens

- Entre 1994 e 2000 – Foram adquiridos outros 11 trens para o sistema

- 1998 – Começa a ser construído o ramal Barreiro-Calafate (atualmente Barreiro - Nova Suíça), mas as obras foram abandonadas em 2003

- 2001 – A frota alcançou o número atual de trens, 25

- A partir de 2002 – As atuais 19 estações começaram a funcionar

- 2005 – O metrô de BH começa a operar com capacidade plena

- Maio de 2009 – Belo Horizonte é escolhida sede da Copa 2014. A Linha 3 (Pampulha-Savassi) seria construída. Entretanto, o trecho foi reduzido para Lagoinha-Savassi após ter sido feita a opção pelo sistema rápido de ônibus (BRT) entre a Pampulha e a Lagoinha

- 16 de setembro de 2011 – A presidente Dilma Rousseff visita BH e anuncia recursos de R$ 3,16 bilhões para a expansão do metrô, com a construção das linhas 2 e 3 e melhorias na linha 1

- 8 de maio de 2013 – O metrô atinge o recorde de transporte diário de passageiros, 241.625 pessoas

Leia mais na matéria "Dilma quer anunciar início das obras da BR-381 em visita a BH"