A doação do equivalente a 8.750 campos de futebol permitirá a ampliação das unidades de conservação ambiental em Minas Gerais. Cinco fazendas com área remanescente de Mata Atlântica e Cerrado vão ser repassadas ao Estado pela Vale. 
 
Os terrenos já estão inseridos ou próximos a unidades de preservação da flora e da fauna e são morada de espécies como a onça-pintada e o lobo-guará. A transferência é parte das medidas de compensação florestal em decorrência das intervenções feitas pela mineração.
 
A empresa, o Governo mineiro e o Instituto Estadual de Florestas (IEF) assinaram, nesta semana, um protocolo de intenções para formalizar a doação, em cerimônia no Memorial Minas Vale. Na ocasião, o governador Alberto Pinto Coelho destacou o compromisso do Estado com a proteção ambiental. 
 
“Sabemos que as melhores soluções vêm do diálogo e da busca pelo entendimento, da visão do diverso, do contraditório, e esse ambiente é profícuo para cultivar o desenvolvimento, transformando a gestão do conflito numa gestão harmônica”, enfatizou.
 
A maior parte dos 6,2 mil hectares doados está em regiões de Cerrado e Mata Atlântica e dividida em cinco fazendas localizadas nos municípios de Mariana, Diogo de Vasconcelos, Ouro Preto, Ouro Branco, Pedro Leopoldo e Itabira, todos na região Central de Minas. Em somente uma dessas fazendas são mais de 2,3 mil hectares, quase todos no Parque Estadual Serra do Ouro Branco.
 
Para o diretor de Ferrosos da Região Sudeste da Vale, Antonio Daher Padovezi, a parceria da empresa com o governo é de grande importância. “Estamos falando de preservação ambiental, emprego e renda, melhoria dos Índices de Desenvolvimento Humano (IDHs), resgate e preservação das culturas locais, melhoria na saúde, educação, entre outros”, afirmou.
 
Mais prevenção
 
Os parques localizados no Quadrilátero Ferrífero terão mais cinco bases de brigadistas florestais a partir do investimento de R$ 3,5 milhões. Convênio para esse repasse foi firmado entre a Vale e o Sindicato da Indústria Extrativa do Estado de Minas Gerais (Sindiextra).
 
Com área de atuação de 50 quilômetros, as bases de apoio ficarão em Mariana, Itabira, Barão de Cocais, Itabirito e no bairro Jardim Canadá, em Nova Lima. Serão ainda contratados 48 brigadistas e adquiridos dois rodotanques – veículos especiais para combate a incêndios florestais – por meio de convênio com a ONG Terra Brasilis e a Associação Mineira de Defesa do Ambiente (Amda).