Exatamente 110 suspeitos de serem líderes de uma das maiores facções criminosas brasileiras - o Primeiro Comando da Capital (PCC) - foram detidos na manhã desta quarta-feira (27) em oito estados do país por execuções sumárias de rivais ou inocentes, sequestros, tráfico de drogas e assaltos. Em Minas, um homem - que já estava detido - foi alvo da ação. 

A operação, chamada de Flash Back, é de responsabilidade do Ministério Público de Alagoas e ocorreu naquele estado, além de Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco, São Paulo, Tocantins, Sergipe, incluindo Minas. Do total de detidos, 66 mandados foram cumpridos em Alagoas.

De acordo com o MP de Alagoas, o objetivo do trabalho é combater o principal núcleo do PCC, com base no Mato Grosso do Sul, de onde saem as ordens de justiçamento para todo Brasil, sob comando de um faccionado identificado como ‘Maré alta’.

Segundo as investigações, que duraram sete meses, esse indivíduo compõe a atual liderança da facção, que substitui o fundador e líder, Marcos Willians Camacho, conhecido como ‘Marcola’ que atualmente está preso na Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia.

Em Minas, a operação teve o apoio do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). De acordo com o MP, um mandado de prisão foi expedido para execução no Estado. No entanto, foi averiguado pelo MPMG que a pessoa já se encontrava detida na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH.