A região Sudeste possui trinta municípios na faixa de alta vulnerabilidade social e todos eles se encontram no estado de Minas Gerais, segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O instituto divulgou nesta terça-feira (1º) o Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, que traz o Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) para os 5.565 municípios do país.

Todos estes municípios da região Sudeste, se encontram, especificamente, na porção norte do Estado. Esta região, assim como a porção norte do Espírito Santo e o Vale do  Ribeira, no Sul do Estado de São Paulo, são as que apresentam maior redução do IVS entre 2000 e 2010.

Cerca de 31% dos municípios mineiros estão na faixa mais alta de redução do IVS (5o quinto – entre 0,153 e 0,285), em seguida está o Espírito Santo, com 19% de seus municípios; São Paulo, com 7%; e o Rio de Janeiro, com apenas 4,3%.

Os dados revelam também que o Brasil apresentou uma redução de 27% no índice de vulnerabilidade social, no período entre 2000 e 2010. Na região Sudeste, a maior parte dos municípios está concentrada na faixa de baixa vulnerabilidade, com 48,8% do total. Fazem parte desta faixa as capitais São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

Vitória, no Espírito Santo, é a única capital considerada em situação de muito baixa vulnerabilidade social. Além dela, mais outros 263 municípios apresentam a mesma condição. Sendo que 75,7% se concentram em São Paulo.

Infraestrutura Urbana

O subíndice IVS Infraestrutura Urbana busca refletir as condições de moradia das pessoas em seus domicílios, por meio de três indicadores: abastecimento de água e esgotamento sanitário adequados, coleta de lixo e o tempo gasto no deslocamento entre a moradia e o trabalho.

Em 2000, a maior parte dos municípios das regiões Sul e Sudeste já se encontrava com esse quesito em situação muito baixa, com algumas exceções observadas em todos os estados. Em 2010, as regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste, com exceção de alguns municípios do Norte de Minas, apresentam os mais baixos subíndices para a dimensão infraestrutura urbana.

Capital Humano

O subíndice referente ao capital humano expressa as fragilidades das pessoas, no que diz respeito ao seu estoque de capital humano e ao seu potencial de construção deste capital junto às novas gerações, combinando elementos do capital familiar com o capital escolar. Os indicadores utilizados medem os seguintes fatores: a mortalidade infantil; crianças e adolescentes até 14 anos fora da escola; mães precoces; mães chefes de família, com baixa escolaridade e com filhos menores de idade; baixa escolaridade domiciliar estrutural; e a presença dos jovens que não trabalham e não estudam.

Em 2000, a grande maioria dos municípios brasileiros estava  na faixa do muito alto IVS Capital Humano, com algumas exceções nos estados de São Paulo, na região Sul de Minas Gerais e na região Sul do país. Esse quadro se altera em 2010, quando a maior parte das regiões Norte e Nordeste e dos vales do Mucuri, do Rio Doce e do Jequitinhonha, além do Norte de Minas, mantêm elevado IVS Capital Humano.

Renda e Trabalho

A vulnerabilidade de renda e trabalho é medida por indicadores do fluxo de renda presente e incorpora outros fatores que, associados ao fluxo, configuram o estado de insegurança de renda das pessoas: a desocupação de adultos; a ocupação informal de adultos pouco escolarizados; a existência de pessoas em domicílios que dependem da renda de pessoas idosas; assim como a presença de trabalho infantil.

Em 2000, grande parte dos municípios brasileiros se encontrava na faixa do alto e do muito alto IVS Renda e Trabalho, expressando uma realidade de aguda vulnerabilidade social. A exceção ficava por conta de alguns municípios na região Sul do país, além de outros nos estados de São Paulo, Minas Gerais (especialmente no Sul do Estado), Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (sobretudo a porção central desses estados), onde predominava o médio IVS Renda e Trabalho. No ano de 2010, enquanto os municípios das regiões Sul e Sudeste evoluem para faixas de menor vulnerabilidade social, os municípios das regiões Norte e Nordeste permanecem, predominantemente, nas faixas de mais elevado IVS Renda e Trabalho.