Minas Gerais registrou 2.424 novos casos de Covid-19 em 24h. Também foram 44 mortes confirmadas no período, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado na manhã deste sábado (21) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Até o momento, 395.534 moradores testaram positivo para a doença. Já o número de pessoas que perderam a vida chegou ao total de 9.732. São 363.352 os casos de pacientes recuperados e 22.452 ainda estão em acompanhamento.

Perfil

Ainda segundo a SES, a maioria dos pacientes que morreu em decorrência da doença no Estado é do sexo masculino. Até sexta-feira (20), 5.480 homens vieram a óbito (58%). Em relação às mulheres, o número chega a 4.208, representando 43%. Entre os casos que não evoluíram para morte, 51% são do sexo masculino e 49%, feminino.

Só serviços essenciais

Duas macrorregiões de Saúde regrediram para a fase mais restritiva do Minas Consciente, plano do governo do Estado para garantir a retomada gradual e segura da economia nos municípios, a partir deste sábado (21). Cidades das regiões Leste, onde está localizada Governador Valadares, e Nordeste retornam para a onda vermelha, onde apenas os serviços essenciais, como supermercados e farmácias, estão autorizados a funcionar. Leste do Sul e Sudeste voltam para a etapa amarela.

A medida foi tomada após aumento de 11% da incidência do novo coronavírus nos últimos 14 dias no território. O anúncio foi feito na última quarta-feira (18) pelo Comitê Extraordinário Covid-19. A região do Vale do Aço permanece na onda amarela, enquanto as demais nove regiões (Triângulo do Norte, Triângulo do Sul, Sul, Oeste, Centro, Noroeste, Norte, Jequitinhonha e Centro-Sul) ficam na onda verde, fase que possibilita a abertura de serviços não essenciais com alto risco de contágio, como cinemas e bares com música ao vivo.

Leia mais:
Duas regiões mineiras passam a permitir apenas serviços essenciais a partir deste sábado
Hospitais de Minas voltam a preparar leitos para atender pacientes graves de Covid, diz médico
Mais famílias em risco: quebra da quarentena amplia contágio da Covid na classe média, dizem médicos