Até o início de setembro deste ano, Minas Gerais teve 119 surtos de conjuntivite que afetaram ao menos 156 pessoas. A doença provoca inflamação da conjuntiva, membrana transparente e fina que reveste a parte da frente do globo ocular. Geralmente ela dura de 7 a 15 dias e pode se manifestar de forma aguda ou crônica.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), a conjuntivite causa sensação de areia nos olhos, secreção, vermelhidão e coceira. Mas com alguns cuidados simples de higiene é possível controlar o contágio e a evolução da doença.

O recomendado por especialistas é lavar os olhos e fazer compressas com água gelada, que deve ser filtrada e fervida, ou com soro fisiológico comprado em farmácias ou distribuído nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) do SUS. Além disso, deve-se evitar locais fechados, aglomerações e lavar com frequência o rosto e as mãos, principais condutores para transmissão de microrganismos. 

Para quem está com a doença, o SUS oferece tratamento gratuito. “Para a conjuntivite viral não existem medicamentos específicos. Já o tratamento da conjuntivite bacteriana inclui a indicação de colírios antibióticos que devem ser prescritos por um médico”, explicou Daiana de Carvalho Souza, referência Referência Técnica de Atenção Especializada da SES-MG.