Minas Gerais registrou 483.569 casos prováveis de dengue, em 2019, que são aqueles confirmados mais os suspeitos. No ano, 168 pessoas morreram em decorrência da doença, em 50 cidades mineiras. Outros 93 óbitos estão sendo investigados. Os números foram divulgados nesta segunda-feira (9) pela Secretaria de Estado de Saúde.

De acordo com último balanço, publicado há uma semana, houve uma queda em relação ao número total. Na ocasião, foram levantados 484.741. Segundo a SES-MG, a queda se deve à exclusão dos casos suspeitos. Já com relação ao número de mortes, houve uma aumento de 5 casos. O última balanço apresentou 163 óbitos. 

O número de casos de dengue está em ascenção. Desde de 2010, quando o levantamento começou a ser feito, esta é a segunda maior alta de casos. A primeira foi em 2016, quando o ano fechou com 517.830 registros. De acordo com a Secretaria, o Estado está em situação de alerta para esse aumento no número de casos das doenças transmitidas pelo Aedes.

 

Chikungunya e Zika

Em relação à Febre Chikungunya, Minas Gerais registrou 2.826 casos prováveis da doença em 2019. Foram 15 casos a mais em relação ao último boletim, quando foram divulgados 2.811. Em 2019, até o momento, foi confirmado um óbito por chikungunya no município de Patos de Minas, e existe um óbito em investigação.

Já em relação à Zika, foram registrados 732 casos prováveis da doença em 2019, quatro a menos do que no levantamento do dia 3 de dezembro, com 728 casos.

 

Leia mais:
Dengue dispara em mais da metade de Minas e novo pico epidêmico está próximo
Chega a 33 o número de mortos por dengue em BH neste ano
Zika provocou a morte de 24 recém-nascidos em Minas nos últimos quatro anos
Boa parte dos mineiros está suscetível a chikungunya e zika