O Ministério Público Federal (MPF) de Minas Gerais informou nesta quarta-feira (17) que acompanhará as investigações das circunstâncias que levaram à queda do avião que transportava a cantora Marília Mendonça no dia 5 de novembro, na zona rural de Piedade de Caratinga, no Vale do Rio Doce. Desde o dia do acidente o caso está sendo apurado pelo Centro de Prevenção e Investigação de Acidente Aeronáuticos (Cenipa).

De acordo com o MPF, ofício foi enviado ao 3º Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidente Aeronáuticos (Seripa) requisitando o encaminhamento do relatório final do acidente, quando então será analisada a necessidade de adoção de novas medidas. O órgão também solicitou que, caso seja constatado algum elemento que confirme riscos à segurança do tráfego aéreo na região, a informação seja passada imediatamente MPF antes mesmo da conclusão das investigações.

Marília Mendonça morreu aos 26 anos, quando estava se dirigindo à cidade mineira de Caratinga para realização de um show. Além dela, estavam no avião o assessor e tio da cantora, Abicieli Silveira Dias Filho, o produtor Henrique Bahia, o piloto Geraldo Medeiros Júnior e o copiloto Tarciso Pessoa Viana. A aeronave possuía os parâmetros para realizar esse tipo de viagem, além  de autorização para transporte executivo. Até o momento não se sabe o que causou o acidente.

 

Leia também

Demora e ônibus cheios; passageiro denuncia falta de fiscalização da BHTrans na Estação Pampulha
Primeiro dia do Enem, no próximo domingo, terá prova de redação; veja dicas