O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) informou nesta sexta-feira (15) que designou promotores de Justiça para acompanhar a autoria de pichações com ameaças a jornalistas em Belo Horizonte.

Tapumes colocados na avenida Alfredo Balena, no bairro Santa Efigênia, na região Leste da cidade, amanheceram pichados nessa quinta-feira (14) com intimidações como "jornalista bom é jornalista morto" e “colabore com a limpeza do Brasil, mate um jornalista”.

Pichação Jornalistas

Segundo o MPMG, os escritos de ódio direcionados à categoria incentivavam o assassinato de jornalistas. O procurador-geral de Justiça, Antônio Sérgio Tonet, afirmou que repudia "toda e qualquer forma de ameaça contra os profissionais de imprensa" e que atos "constituem deploráveis ataques ao próprio regime democrático, valor universal dos povos civilizados"

Ainda de acordo com Tonet, a instituição empenhará todos os esforços para que os autores sejam identificados, processados e punidos na forma da lei.

O procurador-geral designou os promotores de Justiça Patrícia Medina Varotto de Almeida, Marcelo de Oliveira Milagres, Paulo Roberto Santos Romero e Pablo Gran Cristófaro para acompanharem o Inquérito Policial instaurado pela Polícia Civil para apurar o fato.

A presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (SJPMG), Alessandra Melo, registrou boletim de ocorrência. "Assim que soubemos do ocorrido fomos para lá para registrar o picho de ódio e para ver se tinha imagem de câmeras de segurança de estabelecimentos na região. Tem, e já entramos em contato com os estabelecimentos. As imagens ficam guardadas durante dez dias, mas precisa de uma requisição da polícia ou determinação da Justiça”, disse a jornalista.

Quem tiver alguma informação sobre o caso pode fazer a denúncia pelo 181.