Em meio à disputa política envolvendo o destino do valor de R$ 1,2 bilhão em multas pagas pela mineradora Vale pelo abandono da concessão de linhas férreas, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, sinalizou que a verba será destinada à ampliação do metrô de Belo Horizonte. A informação foi revelada pelo ministro em entrevista à rádio Itatiaia, nesta terça-feira (4).

Em novembro do ano passado, a Ferrovia Centro-Atlântica S/A (FCA) - que é gerida pela Vale - assinou um acordo de pagamento de R$ 1,2 bilhão em multas para o Ministério da Infraestrutura. Desde então, prefeitos de cidades do interior de Minas e do Rio de Janeiro pleiteiam o repasse desse montante, alegando que as linhas férreas em questão passam por seus territórios.

A insegurança jurídica fez com que a mineradora depositasse o valor em juízo, enquanto as partes discutem o destino da verba.

Caso esse valor seja efetivamente destinado para Belo Horizonte, o dinheiro será investido em melhorias na Linha 1 (Eldorado-Vilarinho), que pode ser estendida até o bairro Novo Eldorado, em Contagem, e na construção da Linha 2 do metrô.

Esse projeto de expansão do transporte metroviário de BH, que há anos não sai do papel em função da falta de recursos, prevê a construção sete estações, entre bairro Calafate, na região Oeste da capital, e o Barreiro, usando uma linha férrea que atualmente está abandonada.

Apesar do imbróglio envolvendo também o Rio de Janeiro, Gomes confirmou o compromisso do governo com a destinação desses recursos para a ampliação do metrô em BH.

"Qual é o próximo passo: a gente deve abrir uma conta vinculada no BNDS, que está estudando a concessão da linha 1 e da linha 2. Vai ser uma parceria público-privada e a contrapartida do Estado estará nessa conta do BNDS. Por isso deve passar o dinheiro direto para essa conta do BNDS e isso vai facilitar o nosso esforço de viabilização do projeto do metrô da linha 1 e da linha 2. A linha 2 é um compromisso do governo Bolsonaro. Nós temos recurso assegurado de R$ 1,2 bi”, completou o ministro.

Procurada pelo Hoje em Dia, a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio de sua assessoria de comunicação, afirmou que não vai comentar as declarações do ministro Tarcísio Gomes.