O leilão do metrô de Belo Horizonte deverá ser realizado até o primeiro quadrimestre de 2022. A afirmação é do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e foi feita durante entrevista coletiva em Brasília (DF) nesta sexta-feira (2). O gestor também deu informações sobre obras de manutenção e segurança no Anel Rodoviário da capital, concessão da BR-381, além de outras intervenções no Estado.

“Estamos trabalhando diuturnamente para tornar uma realidade o metrô de BH. A estruturação do projeto está na fase final. A ideia é que o edital, para que haja a cisão da CBTU Minas com a privatização dessa parte, seja publicado até o fim do ano, e o leilão até o primeiro quadrimestre do ano que vem”, afirmou Tarcísio.

Segundo ele, o leilão possibilitará a operação da Linha 1 e os investimentos da Linha 2 (Calafate-Barreiro). De acordo com o ministro, o projeto é do Ministério do Desenvolvimento Regional, mas o Ministério da Infraestrutura acompanha de perto o projeto por ele “conversar com a agenda de renovação antecipada dos contratos de concessão de ferrovias brasileiras”.

De acordo com o governo federal, o projeto da Linha 2 do metrô tem 10,5 quilômetros de extensão, partindo da Estação Calafate, da Linha 1, margeando a Via Expressa, até chegar ao Barreiro, com sete novas estações previstas. A expectativa é de que 120 mil passageiros sejam transportados por dia nesse trecho.

Outras obras

Sobre o Anel Rodoviário da capital, Tarcísio de Freitas explicou que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) está desenvolvendo estudos para obras na via, de caráter de manutenção e segurança, incluindo contratações de alargamento de obra especial, criação de áreas de escape, microrrevestimento e intervenções em interseções, ou seja, no encontro de ruas com o Anel.

Em relação à concessão da BR-381, Freitas informou que é mais provável que a mesma ocorra até outubro deste ano. Segundo ele, o relatório final da área técnica sustenta a aprovação pelo plenário da concessão, mas relembrou que é necessária a aprovação do Tribunal de Contas da União (TCU). 

“Tem muito poucas considerações que foram feitas pela área técnica, todas elas muito fáceis de serem atendidas. É um projeto que já pode ser levado a plenário e deliberado. Quanto mais rápido isso for feito, mais rápido a gente publica o edital e mais rápido vamos ter o leilão. E quando isso será? Depende de quando o TCU fizer a deliberação”, disse.

Por fim, Tarcísio sintetizou um panorama de outras obras em Minas, como a entrega dos aeroportos de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, e de Montes Claros, no Norte, ainda neste segundo semestre - terminais que deverão ser entregues à iniciativa privada; além do início da pavimentação das BR-367, no Vale do Jequitinhonha, e 135, de Manga a Itacarambi, no Norte; além de outras.

Leia mais:
BH pode ter aplicado 167 doses vencidas de AstraZeneca, diz jornal; prefeitura nega
Emplacamento de veículos cai em junho, mas cresce 38,95% no semestre
TJMG distribui 190 toneladas de alimentos comprados com recursos de penas pecuniárias