A avaliação do Conjunto Moderno da Pampulha, candidato ao título de Patrimônio Cultural da Humanidade, deverá ter início nesta terça (29). A comissão da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), coordenada pela consultora venezuelana Maria Eugênia Bacci e responsável pela tarefa, aterrissou em Belo Horizonte nessa segunda (28).

Ao longo da semana, além de visitas, serão realizadas reuniões técnicas e sabatinas a respeito da candidatura do cartão-postal da capital mineira. A previsão é a de que, na próxima sexta-feira, representantes da Unesco antecipem algumas considerações referentes ao complexo, que engloba a Igreja São Francisco de Assis, o Museu de Arte da Pampulha (antigo Cassino), o Centro de Referência em Urbanismo, Arquitetura e Design de Belo Horizonte (antiga Casa do Baile), o Iate Tênis Clube e a Casa Kubitschek (antiga residência do ex-presidente).

A decisão sobre a conquista da chancela da Unesco será anunciada em junho de 2016, em Istambul, na Turquia. O título é concedido pela Unesco a monumentos, edifícios, trechos urbanos e ambientes naturais de importância paisagística que tenham valor histórico, estético, arqueológico, científico, etnológico ou antropológico.

ENTREVISTA

Com reconhecimento internacional, belo-horizontinos irão ver a pampulha com outros olhos, diz marília salgado

Para a senhora, que conheceu de perto o idealizador do conjunto arquitetônico da Pampulha, Juscelino Kubitschek, a expectativa pelo título de patrimônio mundial é grande?

Claro que sim. As pessoas não têm ideia da importância da Pampulha, porque ela não tem grandiosidade. A igrejinha é pequena e a Casa do Baile, também. Mas o mais importante lá foi a inovação, o extremo modernismo mundial.

Como a senhora avalia essa candidatura?

Acho que nunca ninguém ousou pensar em uma coisa dessas. Então, é algo importantíssimo. Se (o título) for realmente concretizado, vai dar uma importância enorme à cidade e até os próprios habitantes vão ver a Pampulha com outros olhos. Como se trata de um conjunto nosso, não se dá tanta importância a ele, mas quando um órgão internacional, da Unesco, disser que ele é patrimônio da humanidade, a coisa muda de figura.

Qual a importância do conjunto para BH e para o mundo?

A dimensão da Pampulha é artística, cultural, social e turística. Juscelino pensou muito nisso. A ideia inicial e a escolha dos locais dos prédios foram dele. Ele tinha tudo na imaginação e, a partir daí, Niemeyer fez os esboços e o projeto.

Marília Salgado, filha de Clóvis Salgado (vice-governador de Minas Gerais durante a gestão de Juscelino Kubitschek, ministro da Educação e Cultura na presidência de JK). Foi homenageada dando nome ao Teatro Marília.