O modelo mineiro Tales Cotta, de 25 anos, que sofreu um mal súbito enquanto desfilava na passarela da São Paulo Fashion Week, tinha problemas no coração. Foi o que revelou o laudo necroscópico concluído pelo Instituto Médico-Legal (IML) nesta semana.

Natural de Manhuaçu, na região da Zona da Mata, Cotta morreu no dia 27 de abril, na 47ª edição da SPFW. De acordo com o laudo, o modelo morreu devido a uma cardiopatia não diagnosticada anteriormente. A patologia teria  causado um edema pulmonar, ou seja, um acúmulo de líquido nos 
pulmões. 

Ainda segundo os médicos legistas, não foi detectada a presença de álcool ou drogas no corpo do modelo: "Descartada a hipótese de intoxicação exógena aguda e que a causa da morte não pode ser estabelecida, esta, provavelmente ocorreu devido a um edema agudo pulmonar secundário a uma cardiopatia prévia não diagnosticada".

Mesmo com o mal súbito sofrido por Tales, os desfiles da SPFW continuaram, o que resultou em inúmeras críticas. A organização do evento disse que deu opções para a Ocksa. No dia seguinte após o ocorrido, a marca pediu desculpas por ter continuado  desfile. 

"Em nome de toda equipe pedimos desculpas por termos dado continuidade ao desfile, independente das informações que dispúnhamos naquele momento, no backstage. Independente se tivesse sido uma queda ou ele desmaiado, jamais deveríamos ter dado continuidade ao desfile. Tudo aconteceu muito depressa".

Leia mais:
Marca Ocksa pede desculpas por ter continuado desfile após modelo ter passado mal
'Tales nunca se queixou de problemas de saúde', diz agência de modelos
Modelo mineiro que morreu em desfile da São Paulo Fashion Week faria trabalho internacional