O número de infectados pelo coronavírus em Belo Horizonte segue crescendo de forma alarmante e ultrapassou a marca de um milhão de casos. Os dados são do projeto-piloto Monitoramento Covid Esgotos, feito pela UFMG, em parceria com a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA). 

Conforme o boletim publicado nesta sexta-feira (4), a avaliação foi realizada entre os dias 20 a 26 de novembro e o resultado representa o maior valor aproximado de pessoas infectadas pelo vírus desde o início do monitoramento. O recorde era de 800 mil pessoas, registrado no final de julho.

Na semana anterior, o estudo apontou cerca de 600 mil infectados na capital mineira. Em Contagem, a estimativa se manteve acima dos 200 mil infectados.

A projeção é baseada na quantidade de material genético do novo coronavírus encontrado em amostras retiradas de diferentes pontos do esgoto das bacias do ribeirão Arrudas e o do córrego do Onça.

O trabalho, com duração inicial de dez meses, pretende identificar tendências e alterações na ocorrência do vírus nas diferentes regiões analisadas para entender a prevalência e a dinâmica de circulação do vírus. Os pesquisadores participantes no estudo reforçaram que não há evidências da transmissão através das fezes (transmissão feco-oral).

Leia também:

Defesa Civil bloqueia Tereza Cristina por risco de transbordamento do Arrudas e córrego Ferrugem

Com ocupação de leitos de UTI acima da metade, BH entra em alerta para o avanço Covid-19

Covid castiga mercado de trabalho para domésticas