Há mais de sete décadas, a família da artesã mineira Junia Carvalho, de 49 anos, vive o espírito natalino de maneira especial. Com a montagem de um presépio, importante símbolo da memória cristã, de cerca de cinco metros de comprimento, os parentes e ela reproduzem o nascimento de Jesus. A tradição mantida na casa da artesã é tão significativa também para outras famílias que Minas Gerais reúne, em um circuito de presépios e lapinhas, 295 montagens espalhadas em 131 cidades.

Moradora de Santa Luzia, Junia retira todos os móveis e a decoração da sala quando chega a época do Natal para receber estátuas como a de Maria e do menino Jesus, datadas de 1945, quando a mãe era a responsável pela montagem. Somente na cidade da região metropolitana, 19 presépios fazem parte do circuito.

Para a artesã, o mais gratificante é ver a reação dos visitantes. “Eles saem daqui emocionados. No ano passado, inclusive, uma moça decidiu retomar a montagem em casa depois de me visitar”, revelou. Em 2016, Junia recebeu mais de 300 visitantes.

Esta é a segunda edição do Circuito de Presépios e Lapinhas de Minas Gerais, uma ação do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG) em parceria com os municípios. 

São Francisco de Assis em presépio em Santa Luzia

Devota de São Francisco de Assis, Junia mantém imagem do santo no presépio

Segundo a presidente do órgão, Michele Arroyo, a iniciativa é uma forma de promover e “retomar a tradição de confeccioná-los e abrir as portas de casa para receber outras pessoas e celebrar o Natal em comunidade”, mas também é vista como uma forma de preservar o patrimônio local e do Estado.

Fraternidade

A 60 km de Santa Luzia, em Igarapé, também na Grande BH, a tradição do presépio também é mantida na casa da pedagoga aposentada Terezinha da Silva Couto, de 69 anos, que participa do ritual desde os 7.

Na noite de Natal, a família toda se reúne em volta da estrutura para rezar e trocar palavras e gestos de afeto e carinho. Esta é uma das quatro montagens no município abertas para visitação.

“Esse momento simboliza, desde a minha infância, o espírito de amor, perdão e fraternidade que deve ganhar o coração de cada um. Parece que ficamos mais sensíveis, todo mundo chora, se abraça”, lembra a pedagoga, que também recebe amigos e vizinhos.

A festa na casa de Terezinha reúne cerca de 40 pessoas. Por lá, a manjedoura já está preparada para receber o menino Jesus, os três reis magos, Maria, José e todo o cenário já conhecido pelos cristãos. À meia-noite, os netos mais novos da aposentada levam, juntos, a estátua do filho de Deus até a estrutura.

“Faço questão de continuar com o presépio ano a ano porque festejamos sempre no Natal e é um momento especial demais para mim”, ressalta.

Folia de Reis

De acordo com a presidente do Iepha-MG, o circuito faz parte de uma ação de proteção e amparo às Folias de Reis que, neste ano, foram reconhecidas como Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial do Estado. 

“O incentivo aos presépios reflete diretamente nisso. Nesse ano, depois da nossa primeira ação com o circuito, foram mais de 1.500 folias por Minas, outra tradição antiga que merece ser mantida”, finaliza.

O guia on-line de presépios abertos à visitação está disponível aqui.