Um homem de 61 anos é suspeito de ter tomado quatro doses da vacina contra a Covid-19, sendo três delas em Viçosa, na Zona da Mata, e outra no Rio de Janeiro.

Em nota, a prefeitura mineira informou que o caso foi descoberto após o cidadão abordar, em 25 de junho, uma a equipe de imunização na cidade e alegar que perdeu a data correta da vacinação. "Após a aplicação do imunizante e conferência de dados, pois o indivíduo apresentou apenas o seu CPF, foi constatado que o mesmo havia tomado duas doses da CoronaVac, em Viçosa, uma da AstraZeneca, na cidade do Rio de Janeiro, e a última da Pfizer, também em Viçosa", explicou o comunicado. 

Após o fato, o Executivo acionou a Procuradoria-Geral do Município (PGM), que enviou uma denúncia para investigação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). "O município está agora dando total suporte ao caso, para que todas as providências necessárias sejam tomadas em consonância com os princípios da legalidade e devido à gravidade do momento que a população mundial está passando".

A administração de Viçosa disse ainda que repudia a atitude do morador e que vai reforçar a conferência de dados da população para evitar, ao máximo, situações como esta. "É importante ressaltar que qualquer cidadão que tomar mais de duas doses de imunizantes contra a Covid-19 está sujeito a implicações previstas em lei. Inclusive, a Prefeitura de Viçosa solicita a seriedade e compromisso com o bem-estar coletivo, pois a vacina previne e evita mortes, além de acelerar a volta de todas as atividades comerciais, esportivas e sociais".

Também em nota, o MPMG disse que recebeu toda a documentação sobre a denúncia e que um procedimento será instaurado pelo órgão para investigar a fraude. "Verifica-se que os fatos narrados demandam apuração mais aprofundada para aferição de mínimo lastro probatório apto a sustentar a instauração de um procedimento investigatório próprio".

Leia Mais:
Ao Vivo: Saúde lança nova campanha de vacinação contra a Covid-19
Presidente da CPI manda prender ex-diretor da Saúde suspeito de pedir propina em compra de vacinas
Aos completar 77 anos, Hospital da Baleia lança campanha para arrecadar R$77 mil