Cerca de 70 moradores das comunidades Parque da Cachoeira e Córrego do Feijão protestam na tarde desta quarta-feira (20), em frente ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), no bairro Luxemburgo, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. Eles querem providências da Vale em relação às vítimas do rompimento da barragem da mineradora em Brumadinho, na Região Metropolitana de BH.

No local é realizada a terceira rodada de negociação entre a mineradora e os Ministério Público Estadual e Federal, além da Defensoria Pública de Minas Gerais para a realização de um acordo preliminar, que prevê o ressarcimento integral dos danos socioeconômicos e ambientais aos atingidos.

Segundo a Polícia Militar, a manifestação é pacífica e não atrapalha o trânsito da região.

O Termo de Ajuste Preliminar (TAP), proposto pela Advocacia-Geral do Estado (AGE), faz parte do processo que resultou no bloqueio de R$ 1 bilhão nas contas da Vale e a empresa se comprometeu a repassar imediatamente ao governo do Estado R$ 13 milhões para compensar os gastos que o Estado alega ter tido nos primeiros dias de operações de buscas por vítimas da tragédia.

A barragem Córrego do Feijão se rompeu em 25 de dezembro e destruindo a área administrativa e o refeitório da mineradora, além de casas, estradas e pontes. O Rio Paraopeba, um dos afluentes do rio São Francisco também foi contaminado pela lama.

Segundo boletim da Defesa Civil, 171 mortes já foram confirmadas e 105 pessoas continuam desaparecidas.

Leia mais:
Justiça determina que Vale implemente plano de emergência em Itabirito por causa de barragens
Vizinhos de barragem em Nova Lima saem de casa após alerta da Vale
Justiça suspende processo que pedia R$ 30 bi de indenização à Vale por Brumadinho