Moradores da rua Nilo Antônio Gazire, no bairro Estoril, Região Oeste, não suportam mais esperar pela transferência da Estação de Reciclagem de Entulho que funciona no local. Em setembro de 2010, quando a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) informou que o local seria fechado, o Hoje me Dia mostrou os problemas enfrentados por quem vive nos arredores.

Quase três anos depois, a situação é praticamente a mesma: janelas fechadas para evitar a poeira dos entulhos e muito barulho.

A estação foi criada para transformar os resíduos da construção civil em agregados reciclados, podendo substituir a brita e a areia em produtos para a construção civil que não tenham função estrutural. No entanto, o excesso de poeira causa doenças respiratórias em crianças e deixa apartamentos e lojas sujos. O barulho atrapalha o descanso, sobretudo de bebês e idosos.
 
A solução encontrada pelos vizinhos dos entulhos é manter portas e janelas bem fechadas.


Promessa

A promessa da SLU de transferir a Estação de Reciclagem de Entulho é de 2010, o que ocorreria no ano seguinte. Mesmo assim, vizinhos garantem que caminhões continuam entrando e saindo da estação.

“O movimento diminuiu, mas continua a existir. Tenho um bebê, e uma vizinha cuida da minha mãe. O excesso de ruído deixa todos estressados. Precisam tomar uma decisão logo para que a gente saiba o que fazer. Até que isso aconteça, vamos ficar reféns do barulho e da poeira”, disse a dentista Cláudia Pinho, de 32 anos, cujo filho teve bronquite.

Há especulações sobre o local para onde a estação será transferida. O comerciante Darcy Loiola da Silva Júnior, de 37 anos, reclama da poeira que suja as roupas dos clientes. Segundo ele, funcionários da estação afirmam que o bairro Olhos D’água, nas proximidades do BH Shopping, deve receber a unidade de entulhos.