Um motorista de veículo de aplicativo foi assassinado a tiros na noite dessa quarta-feira (7) enquanto trabalhava em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). 

De acordo com a Polícia Militar, o Ford Ka prata do jovem, de 25 anos, foi interceptado por um veículo de cor branca, de modelo semelhante a um Citroën Aircross ou Kia Soul, por volta das 21h50, quando o profissional transportava um casal de passageiros no bairro Boa Esperança.

Conforme relatos de populares à polícia, um homem desceu do carro branco, ordenou que a vítima saísse do automóvel e disse: "Vai pagar ou não vai?". Em seguida, o autor atirou contra o homem, que morreu na hora após ser atingido na cabeça, no tórax, no ombro e no braço direito.

Ainda conforme a corporação, o autor fugiu em alta velocidade, sentido para a chamada "Parte Alta" de Santa Luzia. Após o assassinato, o casal de passageiros pegou a chave do Ford Ka e o smartphone da vítima, que estava ainda conectado ao aplicativo da empresa, e fugiu para um beco próximo, onde mora.

À polícia, o pai da vítima relatou que o jovem não tinha envolvimento com drogas, que não estava sendo ameaçado por ninguém e não estava com dívidas a ninguém. Porém, "ele tinha um comportamento temperamental, com estopim curto", afirmou o senhor à PM.

O pai da vítima ainda relatou aos militares que notou, logo após o assassinato, que o Ford Ka estava com um arranhão, sendo que o dano não estava presente no automóvel no período da tarde, antes de o filho ter saído para trabalhar. Uma das hipóteses possíveis é que o assassinato tenha ocorrido após uma briga de trânsito.

A perícia da Polícia Civil esteve no local e recolheu sete cartuchos deflagrados calibre .380. O documento da vítima foi encontrado no interior do veículo. A Polícia Militar realizou buscas pela região, mas não localizou o autor ou o casal de passageiros. O caso foi encaminhado para a 12ª Delegacia de Homicídios de Santa Luzia.

Leia mais:
PF faz operação contra fraudes no auxílio emergencial na Bahia
Governo anuncia distribuição de mais 4,4 milhões de doses das vacinas contra a Covid
Estudo da Fiocruz mostra que quase 90% dos vacinados em primeira dose têm anticorpos contra Covid