Motoristas fazem protesto e terminal Morro Alto, em Vespasiano, amanhece sem ônibus

Anderson Rocha
08/07/2019 às 09:14.
Atualizado em 05/09/2021 às 19:26
 (Reprodução/ Portal Linha Verde)

(Reprodução/ Portal Linha Verde)

Mais de 20 motoristas da empresa de ônibus Saritur fazem manifestação em frente à estação Morro Alto, em Vespasiano, na Grande BH, desde a madrugada desta segunda-feira (8). Segundo a Polícia Militar, que acompanha o movimento, o protesto teve início às 4h e é pacífico. Por volta das 10h, o terminal ainda seguia fechado e passageiros precisaram buscar outras alternativas. 

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de BH (STTRBH), que não está envolvido na organização do protesto, a paralisação acontece em resposta ao corte do benefício tíquete-alimentação no período das férias. A medida foi anunciada por todas as empresas de ônibus do município em junho.  

O terminal Morro Alto é composto por 11 linhas, incluindo os trajetos de bairros até a estação e da estação até a capital mineira. Segundo o STTRBH, a paralisação deve ser encerrada na tarde desta segunda-feira. Vídeo feito pelo portal Linha Verde, na madrugada, mostra terminal sem qualquer veículo em funcionamento. 

Embora a alteração no benefício tenha sido adotada por todas as empresas, apenas os funcionários da Saritur fazem manifestação nesta manhã, fechando completamente o terminal. Procurada, a Saritur informou que o posicionamento será dado pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram), pois há outras empresas envolvidas no corte de benefício. 

Paralisação ilegal e fakenews

De acordo com o Sintram, a paralisação é ilegal, pois as empresas não foram informadas com antecedência e nem há o cumprimento de escala mínima. Além disso, o sindicato afirmou que o protesto é baseado em informações inverídicas divulgadas via WhatsApp e que já foram desmentidas pelo Sintram. Leia a nota completa:

Diante das paralisações verificadas na manhã de hoje (08/07/2019), o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros da Região Metropolitana de Belo Horizonte vem esclarecer que as manifestações são baseadas em inverdades que circulam pelo whatsapp. 

A paralisação é absolutamente ilegal, já que as empresas não foram previamente comunicadas conforme dispõe a lei 7.783/1989 e, ainda que os trabalhadores já tenham sido alertados acerca da inveracidade das reinvindicações, eles mantêm o movimento. Infelizmente, os colaboradores se recusam a garantir o mínimo da operação exigido por lei, o que tem prejudicado os usuários. 

Essa paralisação ilegal não foi orquestrada pelo sindicato representante da categoria, mas sim por iniciativa de opositores e, por isso, o SINTRAM e as empresas operadoras dos serviços não se envolverão em disputas de poder e lideranças sindicais e não negociarão com grupos sem representatividade legal.

O SINTRAM reforça que as empresas estão envidando todos os esforços no sentido de retomar o mais brevemente a normalidade da operação e os serviços sejam rapidamente regularizados.

Ainda sobre as paralisações verificadas na manhã de hoje (08/07/2019), o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros da Região Metropolitana de Belo Horizonte vem esclarecer que o movimento nada tem a ver com a operação da empresa concessionária, e sim com a tentativa de um grupo de assumir o poder dentro do sindicato.

Categoria responde nota

Questionado sobre as acusações feitas na nota divulgada pelo Sintram, o advogado Rômulo Paturnia reafirmou que o movimento é espontâneo dos trabalhadores, não tendo qualquer relação com o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de BH e Região Metropolitana (STTRBH). "A gente não reconhece o atual sindicato como representante da categoria", reclama. 

Ele questionou ainda a afirmação dada pelas empresas de que o ato seria motivado por notícias falsas. "Eles tentam desesperadamente justificar os erros com a desculpa de fake news. Mas os trabalhadores já estão sentindo no bolso o corte do tíquete-refeição.", aponta o advogado. 

Ainda segundo ele, a manifestação é popular e legal. "Inclusive a gente não impediu ninguém que quis trabalhar e a Polícia Militar (PM) esteve presente. Não houve confrontos e, mesmo assim, ainda conseguimos atingir a totalidade dos motoristas. Isso ocorreu por conta da insatisfaçao da categoria", finalizou. 

Procurado, o assessor do STTR-BH, Luciano Gonçalves, explicou que o movimento não teve participação da entidade. "A gente não tinha instrumentos legais para fazer uma greve responsável e garantir a segurança dos trabalhadores. Eles fizeram a greve por conta própria, sem se resguardar", disse. 

Entretanto, ele questionou a afirmação do Sintram de que o movimento foi baseado em fakenews. "A revolta maior é pela decisão das empresas de cortar o tíquete-alimentação nas férias, que não era um benefício convencionado e foi realmente retirado. Mas, como nós não estamos na época da database, que é em outubro, não havia dispositivo legal para deflagrar uma greve. Realmente tivemos fake news que contribuíram para essa revolta, mas falando que a categoria perderia o plano de saúde dos dependentes", pontuou Gonçalves. 

Sem transporte

No Twitter, usuários reclamaram por não encontrarem ônibus nesta manhã. Houve quem afirmasse que o terminal permitia a entrada de usuários, mas que os ônibus não estavam saindo. Veja:

Obrigada terminal morro alto pela greve, tem duas horas que tô tentando ir pra casa— bianca (@biiibes) 8 de julho de 2019
quase que eu sento na cabesssss, estação morro alto paralisada, e hj tem prova na faculdade, justinópolis salvou— luba language “) (@naflavia_ss) 8 de julho de 2019
[8/7 09:04] Beatriz Dantas: Amor[8/7 09:04] Beatriz Dantas: Eu te amo[8/7 09:05] Well: Morro alto n tá passandoBom dia com muita reciprocidade— beatriz (@biadant_) 8 de julho de 2019
Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por