Quem vota em um local distante da residência e não tem carro deverá ficar atento sobre o deslocamento. Os motoristas por aplicativo planejam uma paralisação nacional neste domingo (15) para pressionar as empresas do setor a melhorarem as tarifas repassadas aos trabalhadores.

O Sindicato dos Condutores de Veículos por Aplicativo do Estado de Minas Gerais (Sicovapp-MG), entidade representativa dos motoristas por aplicativo, informou que apoia a paralisação, que deve acontecer ao longo de todo domingo em Belo Horizonte.

“Há mais de seis anos que não temos aumento no valor repassado aos motoristas. Pelo contrário, houve uma redução nas tarifas, porque as empresas lançaram promoções que diminuem os ganhos dos motoristas de forma nacional”, afirmou Gyanny Macedo, presidente do Sicovapp-MG e da Federação Nacional dos Sindicatos dos Motoristas por Aplicativo Fenasmapp).

Segundo ela, os valores recebidos pelos motoristas não têm sido suficientes para pagar as contas pessoais. “Neste momento, a gente está pagando para trabalhar. O que está acontecendo não pode continuar”, disse ela.

Gyanne deu um exemplo de valor pago a um motorista nesta quarta-feira (11). O profissional mandou prints para ela de uma corrida solicitada, em que ele receberia R$ 14 para se deslocar por 16 quilômetros. O trajeto demandaria cerca de 30 minutos. “Menos de um real por quilômetro é inviável para os motoristas”, afirmou.

Procurada pela reportagem, a 99 afirmou que está sempre aberta ao diálogo com os motoristas-parceiros e acompanha a mobilização em Belo Horizonte. "A empresa esclarece que a remuneração na plataforma leva em conta a distância percorrida e tempo de deslocamento, além de uma tarifa base mínima. Além disso, a plataforma pratica as menores taxas do setor. A empresa ainda lembra que desde o início da pandemia foram direcionados esforços e recursos para promover ações de prevenção aos motoristas parceiros e passageiros e na geração de demanda para ampliar os ganhos, como a doação de R$ 4 milhões em corridas aos governos de dezenas de cidades do Brasil", disse a empresa.

A reportagem do Hoje em Dia também entrou em contato com Uber e Cabify para pedir posicionamentos sobre a paralisação nacional deste domingo e aguarda os retornos.