Dez pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), em Alfenas, no Sul de Minas, por formação de organização criminosa e tráfico de drogas e armas. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (17).

Alguns integrantes do grupo estão presos em Alfenas e outros em Ribeirão Preto. Há também foragidos e uma pessoa em prisão domiciliar.

De acordo com as investigações, iniciadas em março de 2015, o grupo atuava na distruição e na comercialização de grandes quantidades de cocaína e maconha em cidades mineiras como Alfenas, Guaxupé e Guaranésia, além de municípios de Nordeste brasileiro e ainda com ramificações em São Paulo e em outros estados do papís.

A organização possuia uma hierarquia, com dois líderes em dois núcleos distintos, mas com atuação coordenada. Um deles ficava em Alfenas, e o outro em Monte Santo de Minas, ambos no Sul do Estado. Interceptações telefônicas feitas pela Polícia Federal (PF) teriam apontado a função que cada um dos denunciados ocupava no grupo.

Uns eram responsáveis pela logística e atuavam no controle de estoque das armas e das drogas, outros faziam a segurança dos locais utilizados para armazenar os produtos ilícitos. Havia responsáveis por comercializar e reembalar a droga, aquele que atuava no transporte do dinheiro, das mercadorias e das armas. E ainda uma pessoa só por conta de conseguir cédulas de identidade falsas para um dos líderes da organização.

Várias operações policiais foram realizadas em 2015. Uma delas, a Tejuco, apreendeu 37 kg de maconha, 60 de cocaína, além de ecstasy, balanças de precisão, liquidificador, prensa e pinos de plástico, usados para embalar cocaína. Na ocasião, a PF apreendeu também um imóvel alugado em Alfenas por um dos denunciados. O local era usado para produção e refino das drogas.

No mesmo endereço, foram encontradas munições, uma pistola calibre nove milímetros e três bananas de dinamite. Em um estacionamento, os policiais apreenderam duas armas e R$ 89 mil em dinheiro, escondidos em um compartimento falso. Já no automóvel de outro integrante do grupo, a polícia achou munição e uma pistola calibre 380.

Em outra ação na cidade de Ribeirão Preto, em São Paulo, foi apreendido um carregamento de 3,5 toneladas de maconha do mesmo grupo, que seguiria para Sergipe. A organização utilizava a empresa transportadora de um de seus integrantes para fazer a distribuição dos entorpecentes e o transporte das armas entre os estados e os municípios.