A Samarco pediu ao Ministério Público (MPMG) um prazo maior para depositar parte dos R$ 500 milhões que, até a última quinta-feira (26), deveriam estar em conta destinada a cobrir prejuízos causados pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, região Central de Minas.

Segundo a empresa, houve ordem de pagamento da quantia acordada em Termo de Compromisso. No entanto, o bloqueio de R$ 292 milhões, determinado pela Justiça, impediu que todo o dinheiro fosse transferido.

O MPMG aprovou a solicitação da mineradora, estendendo até 2 de dezembro a data do repasse de R$ 208 milhões que faltam. Mas nesse depósito deve estar incluído um valor adicional de R$ 1,2 milhão a título de multa por descumprimento do prazo – R$ 200 mil por dia de atraso.

Ainda em dezembro, a Samarco terá que desembolsar mais R$ 500 milhões, totalizando o R$ 1 bilhão que garantirá o custeio de diversas medidas para reparar os danos da tragédia, conforme acordo feito com os ministérios públicos Estadual e Federal.