O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), em conjunto com a Polícia Civil, deflagrou nessa segunda-feira (13) operação que investiga supostas fraudes em licitações e contratos emergenciais para o combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no município de Mendes Pimentel, no Vale do Rio Doce.

Batizada de “Printer”, a ação, por meio da 3ª Promotoria de Justiça da Comarca de Mantena, cumpriu seis mandados de busca e apreensão nas sedes e em endereços ligados a empresas de Governador Valadares, conforme medidas cautelares obtidas pelo MPMG na Justiça. A decisão determinou também o afastamento temporário de servidores públicos.

Durante as diligências, foram apreendidos celulares, computadores e documentos relacionados.

De acordo com o MPMG, as apurações tiveram início a partir de informações enviadas pela Prefeitura de Mendes Pimentel à Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Mantena - uma das 107 de todo o estado que já aderiram à fiscalização da transparência das despesas públicas no enfrentamento da pandemia - para o acompanhamento de execução da política de transparência pública em relação às contratações emergenciais realizadas pelo município.

A reportagem não conseguiu contato com a prefeitura de Mendes Pimentel.