Se depender do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), o Carnaval em Esmeraldas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) a limpeza das ruas ficará resumida a varredura durante toda a festa. A água não deverá ser usada para a limpeza.
 
A Promotoria de Justiça de Esmeraldas, expediu uma recomendação à prefeitura e à Liga Carnavalesca de Esmeraldas (Licace) para que se abstenham de realizar a lavagem dos logradouros públicos durante as festividades carnavalescas deste ano, entre 7 a 17 de fevereiro. A medida foi tomada como forma de se evitar o agravamento do quadro de escassez de água vivido pela população local. 
 
A medida seria para devido a crise hídrica que Minas Gerais atravessa. Segundo informações da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), o Sistema Paraopeba, que abastece a Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), está operando atualmente com 30,25% de sua capacidade, e o índice de desperdício na região é de 40% da água potável entregue à população. 
 
Apesar do cenário alarmante, um boletim da Prefeitura de Esmeraldas distribuído à população informa que o município “se compromete a realizar a limpeza das ruas da cidade em todos os dias de evento. A ação será resumida apenas com a varredura e lavagem dos espaços públicos”.
 
Conforme a promotora de Justiça Mirella Giovanetti Vieira, a lavagem dos logradouros públicos durante 10 dias de festa seria, no mínimo, conduta antagônica quando comparada à recomendação da Copasa de redução de consumo de água em 30%. “Além de configurar, em tese, ato de improbidade administrativa, por violação aos princípios da Administração Pública”, acrescenta.
 
(* Com MPMG)