O Ministério Público do Estado Minas Gerais deslocou uma equipe do Núcleo de Combate aos Crimes Ambientais (Nucrim) para avaliar a extensão dos danos causados pelo rompimento de uma das barragens da Vale, na Mina Feijão, próxima ao Córrego do Feijão, região metropolitana de Belo Horizonte, em Brumadinho.

Por meio de nota, a promotoria de Minas Gerais informou que a análise será feita juntamente com outras autoridades da área ambiental do estado.

A barragem de rejeitos da mineradora Vale, na Mina do Feijão, se rompeu no início da tarde desta sexta-feira (25). As primeiras informações indicam que os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco.

“Ainda não há confirmação se há feridos no local. A Vale acionou o Corpo de Bombeiros e ativou o seu Plano de Atendimento a Emergências para Barragens”, informou a mineradora.

Leia mais:
Após rompimento de barragem, Copasa nega interrupção no abastecimento de água
'Vê-se que não há lição aprendida do desastre de Mariana', diz Greenpeace
Mina Córrego do Feijão é parte de Paraopeba e possui 13 estruturas para rejeitos
Vítimas de rompimento de barragem em Brumadinho chegam ao João XXIII, em BH
Analistas da Vale buscam informações sobre impactos do acidente em Brumadinho
Hospital João XXIII recebe vítimas da barragem da Vale em Brumadinho

#Brumadinho entra no trending topics do Twitter: 'nova Mariana'