Mulher de 36 anos foi presa na manhã desta sexta-feira (28), no aeroporto de Confins, suspeita de praticar injúria racial após chamar uma atendente de lanchonete de "piranha" e "macaca bunduda". Ela também teria resistido à prisão e desacatado policiais militares que atenderam a ocorrência, sendo conduzida para a delegacia de plantão de Vespasiano.

De acordo com o boletim de ocorrência, o fato teria acontecido por volta de 10h30, quando a vítima alegou que a mulher chegou à loja de maneira exaltada. Após ser chamada de "piranha", a atendente pediu para que ela se acalmasse, mas a autora ficou ainda mais agitada e a ofendeu novamente, desta vez de "macaca bunduda".

A funcionária se dirigiu ao posto policial de Confins para relatar o caso e, pouco depois, a autora chegou ao local, dizendo que os agentes eram folgados e que ela seria neta de militar. Também afirmou, possivelmente para intimidar os policiais, que tinha sido presa por tráfico de drogas e que iria "tirar o sangue" deles.

Os policiais teriam dado voz de prisão e precisaram imobilizar e algemar a autora. Foi solicitada a presença de uma policial feminina, após constatar que ela havia escondido algo sob as roupas. Enquanto se aguardava a chegada da agente, ela, de acordo com o boletim, teria continuado as ameaças, afirmando que "quem tocasse a mão nela, iria matar".

Com a chegada da policial, que teria sofrido tentativas de agressão, como chutes, cabeçadas e mordidas, foram encontrados dois aparelhos celulares. Os chips, segundo a autora, teriam sido engolidos por ela. A autora estava com três filhos menores, que foram levados ao Conselho Tutelar e, posteriormente, entregues ao padrasto.