Uma mulher de 30 anos foi presa sob suspeita de ser a mandante do assassinato da esposa do amante dela, no bairro Paulo VI, na região Norte de Belo Horizonte, em 14 de outubro. Um colega de trabalho da investigada também foi preso, acusado de ser o autor das 40 facadas desferidas contra a vítima.

De acordo com a Polícia Civil, a suspeita tinha a intenção de acabar com a vida da mulher de seu amante, para que ele assumisse o relacionamento com ela. Para isso, a acusada teria seduzido o colega de trabalho, em um hospital de Belo Horizonte, e dito que estava recebendo ameaças da vítima, para convencê-lo a cometer o crime.

Percebendo que o colega tinha interesse por ela, a suspeita teria prometido manter relações sexuais com ele, caso o crime fosse cometido.

Frieza

“O que nos chamou a atenção foi a frieza do executor e da mandante nesse crime. Nenhum dos dois tinha antecedentes criminais”, afirmou a chefe do Departamento Estadual de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), delegada-geral Letícia Gamboge.

O suspeito de desferir as facadas foi preso no dia do crime. Durante investigação, a polícia descobriu uma intensa troca de mensagens entre os investigados, inclusive, de cunho erótico. A polícia verificou ainda que a faca usada no crime teria sido comprada pelo suspeito exclusivamente para cometer o assassinato.

A polícia verificou que o marido da vítima não tinha conhecimento dos planos da amante e teria ficado bastante surpreso ao saber do desfecho das investigações.