A mulher de 36 anos que foi queimada e esfaqueada pelo ex-companheiro em Jampruca, na região do Rio Doce, vai ser transferida na noite desta segunda-feira (21), para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, em Belo Horizonte. A Polícia Civil já indiciou o suspeito de 40 anos por tentativa de feminicídio e lesão corporal grave. O filho do casal, que tentou defender a mãe, também foi agredido.

O caso ocorreu no último sábado (19) e o autor foi detido após tentar cometer suicídio, subindo no teto de uma igreja com uma corda. 

A mulher teve 80% do corpo queimado, além de nove perfurações no tórax. Um dos golpes atingiu o pulmão. Um homem que tentou ajudar a vítima teve queimaduras em 54% do corpo. Ambos foram levados para o Hospital Municipal de Governador Valadares e serão transferidos para a capital.

Segundo a Polícia Militar, o casal estava separado há alguns meses mas continuava morando na mesma casa. Inconformado com a separação, ele começou uma discussão com a ex. Foi quando o filho chegou na varanda da residência e viu o pai agredindo a mãe com um objeto pontiagudo. O rapaz tentou impedir a agressão, mas levou uma pancada na cabeça com um tijolo. Em seguida, o autor jogou gasolina no corpo da mulher e ateou fogo.

Mesmo com o corpo em chamas, a vítima saiu correndo para a rua e foi socorrida por um homem que também sofreu queimaduras nos braços e pernas.

O filho do casal sofreu um corte na testa e foi encaminhado para a UPA da cidade.

Ainda se acordo com a PM, após cometer o crime, o suspeito fugiu por um matagal e depois subiu no telhado de uma igreja com uma corda, alegando que iria se matar. Os militares conseguiram convencê-lo a se entregar e ele foi levado ao hospital sob escolta, porque também apresentava queimaduras.

A arma usada no crime, um chuço, que é uma espécie de punhal artesanal, foi apreendida.