Morreu, nesta segunda-feira (2), Renata Rodrigues Aureliano, 29 anos, que teria sido queimada pelo ex-companheiro em Campestre, no Sul de Minas Gerais. De acordo com a Polícia Militar (PM), o crime ocorreu na manhã desse domingo (1º), quando o suspeito, também de 29 anos, teria ido à casa da vítima e colocado fogo no corpo dela.

A mulher deu entrada no Hospital Bom Pastor, em Varginha, mais de cinco horas depois do crime e faleceu nesta madrugada. Conforme a instituição, a vítima morreu em decorrência das várias queimaduras que tinha pelo corpo.

Conforme apurado pela PM, antes do crime, o homem foi a um posto de combustível, onde comprou gasolina – o mesmo líquido que foi jogado no corpo da vítima antes de o fogo ser ateado. 

O homem chegou a fugir do local onde o fato ocorreu. A PM recebeu a informação de que o suspeito estava em casa e o prendeu. Ele apresentava queimaduras na mão e no antebraço direito e, por isso, foi levado ao hospital para atendimento médico.

Passional

Testemunhas disseram aos militares que a motivação do assassinato seria passional, uma vez que o suspeito tinha ciúmes da mulher. Em depoimento à Polícia Civil (PC), o suspeito disse que havia sido chamado de corno, mas não informou quem teria feito a afirmação. Posteriormente à situação, ele disse ter tido um ataque de fúria, colocado fogo na mulher, agindo assim por impulso. 

Em maio de 2015, Renata registrou ocorrência contra o ex-marido por ameaça. No entanto, conforme a PC, ela não quis dar prosseguimento à queixa e as investigações foram encerradas naquela época.

O suspeito tem passagem pela polícia por roubo, furto e dano ao patrimônio público.

A perícia da Polícia Civil (PC) recolheu o vasilhame usado para colocar a gasolina, além de peças de roupas como provas do ocorrido. A ocorrência foi encerrada na delegacia de Poços de Caldas, onde seguem as investigações.